Bolsa António Mota: “Enquanto não nos esquecermos da Mota-Engil África não vamos fazer novas operações de bolsa”

António Mota: “Enquanto não nos esquecermos da Mota-Engil África não vamos fazer novas operações de bolsa”

António Mota afasta novas operações de bolsa para já, recordando o caso da Mota-Engil África.
António Mota: “Enquanto não nos esquecermos da Mota-Engil África não vamos fazer novas operações de bolsa”
Ana Brígida/Negócios
Patrícia Abreu 06 de novembro de 2017 às 18:21

A Mota-Engil não pretende realizar nos próximos tempos novas operações de bolsa. António Mota, presidente da construtora, afasta a possibilidade de explorar novos mercados, através da dispersão de capital da Mota-Engil África ou Mota-Engil América Latina.

 

"Não há intenção nesta altura de fazer operações de bolsa", adiantou António Mota, questionado sobre a possibilidade da companhia explorar novos mercados. A falar na sessão de comemoração dos 30 anos da Mota-Engil em bolsa, o presidente da empresa adiantou que a cotada já fez essa tentativa, através da dispersão de capital da Mota-Engil África, na bolsa de Amesterdão, mas essa operação não teve sucesso.

 

A unidade africana da construtora estreou-se na bolsa de Amesterdão em Novembro de 2014, mas a companhia acabaria por decidir retirar a empresa um ano depois devido à forte queda das acções. E esta experiência ainda está fresca na memória dos accionistas da Mota-Engil.

 

Ainda que admita que poderá fazer sentido ter uma Mota-Engil África ou uma Mota-Engil América Latina cotadas em bolsa, António Mota adiantou que "enquanto não nos esquecermos da Mota-Engil África, não (vamos fazer novas operações de bolsa)".

 

Em relação à sua experiência no mercado de capitais português, António Mota argumentou que se a empresa não estivesse cotada provavelmente não haveria uma Mota-Engil tal como a conhecemos hoje. O presidente da construtora refere ainda que é positivo estar em bolsa e é preciso trazer mais empresas para o mercado. "A bolsa portuguesa está com dimensão deficiente face ao que deveria ser", concluiu.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
J. SILVA Há 1 semana

II-Engº António Mota,
Não se faça de ingénuo. As administrações da maior parte das cotadas, fizeram OPV , sacaram o investimento a triplicar e deitaram os pequenos accionistas às feras. Assim não. A maioria das cotadas nunca distribuiu dividendos, algumas delas à mais de 20 anos. COMO É POSSÍVEL?

J. SILVA Há 1 semana

Eng.º António Mota,
O senhor tem uma empresa cotada à 20 anos e parece que não conhece o estada da BVL. O problema principal não é a dimensão mas sim a TOTAL FALTA DE CREDIBILIDADE, só investe nesta bolsa quem é ignorante , quem tem informação privilegiada ou então os manipuladores.

MOTA ENGIL Há 1 semana

A Mota Engil em 2014 ultrapassou os 6.00 euros, e para lá caminha, uma grande Empresa. tão cedo os investidores podem ficar descansados, porque não se metem em aventuras, foi uma má experiencia,

pub