Bolsa Após máximos Wall Street fica sem rumo definido à espera de conclusões da Fed

Após máximos Wall Street fica sem rumo definido à espera de conclusões da Fed

Depois de um ciclo de sessões em que os principais índice americanos atingiram novos recordes de sempre, com o Dow Jones a atingir máximos históricos há quatro sessões seguidas, Wall Street começou o dia sem tendência definida na expectativa pelo final do encontro da Fed.
Após máximos Wall Street fica sem rumo definido à espera de conclusões da Fed
Reuters
David Santiago 20 de setembro de 2017 às 14:33

O Dow Jones abriu a sessão desta quarta-feira, 20 de Setembro, a valorizar ligeiros 0,01% para 22.372,00 pontos, isto depois de quatro dias seguidos em que o índice industrial estabeleceu novos máximos de sempre. Já o Nasdaq Composite abriu a ceder 0,04% para 6.458,586 pontos, enquanto o Standard & Poor’s 500 iniciou a sessão a avançar ténues 0,06% para 2.508,11 pontos. Estes três índices fecharam a sessão de ontem com recordes de fecho.

 

Após uma série de várias sessões seguidas em que as principais praças norte-americanas atingiram novos máximos históricos, Wall Street começou a transaccionar sem rumo definido com os investidores a preferirem aguardar pelo fim, marcado para esta tarde, da reunião de dois dias da Reserva Federal dos Estados Unidos.

 

O objectivo dos investidores americanos passa uma vez mais por tentar recolher pistas da parte da Fed sobre o momento que será escolhido pela instituição liderada por Janet Yellen decretar um novo aumento de juros, depois de este ano a autoridade monetária já ter elevado por duas vezes os custos do dinheiro.

 

O comunicado final da Fed será divulgado a partir das 18:00 em Lisboa, sendo que Yellen fará um discurso cerca de uma hora depois do encerramento oficial dos trabalhos. Apesar de não ser esperado para já o anúncio de um novo aumento dos juros e de ser aguardada a confirmação da redução do balanço, os mercados aguardam pela posição de Yellen relativamente à taxa de inflação, que continua abaixo do objectivo definido de 2%, para perceberem se a Fed poderá decretar uma terceira subida dos juros em 2017.

 

Os investidores estão também atentos à divulgação, marcada para hoje, da evolução das vendas de casas já existentes, sendo que os analistas antecipam que tenham crescido 0,3% em Agosto, isto depois de em Julho este indicador ter recuado para o valor mais baixo em 11 meses.

Numa manhã em que o sentimento está dividido entre ganhos e perdas, nota para a Adobe que segue a perder 4% para 150,33 dólares após as receitas da cotada terem ficado em linha com as estimativas, e para a Pfizer que soma 2,06% para 36,18 dólares depois de o Morgan Stanley ter elevado a recomendação sobre os títulos da farmacêutica para "overweight".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub