Câmbios Apostas na paridade euro-dólar aumentam com vitória de Trump

Apostas na paridade euro-dólar aumentam com vitória de Trump

O mercado aponta agora para uma probabilidade de 45% de o euro cair para 1 dólar até ao fim do próximo ano, cerca do dobro da probabilidade atribuída antes da vitória de Donald Trump.
Apostas na paridade euro-dólar aumentam com vitória de Trump
Reuters
Rita Faria 15 de Novembro de 2016 às 10:10

A vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas está aumentar as apostas na paridade euro-dólar - algo que não acontece desde 2002 – devido à divergência expectável entre as políticas económicas da Zona Euro e dos Estados Unidos.

Segundo os dados compilados pela Bloomberg, o mercado aponta agora para uma probabilidade de 45% de o euro cair para 1 dólar até ao fim do próximo ano, cerca do dobro da probabilidade atribuída há uma semana.

As promessas do presidente eleito de aumentar a despesa e reduzir os impostos estão a alimentar a especulação de que o crescimento económico e a inflação na maior economia do mundo vão acelerar, levando a Reserva Federal dos Estados Unidos a aumentar as taxas de juro a um ritmo mais rápido – as apostas na subida dos juros em Dezembro cresceram de 80%, a 7 de Novembro, para 92%, actualmente.

Essa especulação levou a moeda única a completar esta segunda-feira a sexta sessão consecutiva de perdas face à divisa norte-americana. O euro atingiu mesmo o valor mais baixo desde Dezembro de 2015, nos 1,0709 dólares.  

Para o Deutsche Bank, o quarto maior "trader" mundial de divisas, os resultados das eleições são suficientes para pressionar a moeda única e empurrá-la para baixo de 1 dólar em 2017. Isto depois de as apostas na paridade do euro-dólar terem caído este ano, com a Fed a atrasar a subida dos juros nos Estados Unidos.

"A divergência está de volta", afirma George Saravelos, estrategista do Deutsche Bank em Londres, citado pela Bloomberg. "A vitória de Trump mudou as coisas".

Saravelos prevê que o euro cairá para 1,05 dólares no final deste ano e para 0,95 dólares até ao final de 2017, o nível mais baixo desde Junho de 2002.

"Antecipamos a paridade no primeiro trimestre de 2017", afirma Enrique Diaz-Alvarez, director do departamento de gestão de risco da Ebury, em Nova Iorque, citado pela Bloomberg.

Numa nota de análise divulgada esta terça-feira, 15 de Novembro, também o Haitong antecipa que a subida do dólar face às principais congéneres deverá continuar, e que o par deverá "atingir a paridade" antes de o euro voltar a subir. 

Depois de seis sessões consecutivas de quedas face à divisa dos Estados Unidos, o euro está hoje a recuperar com uma subida de 0,63% para 1,0805 dólares. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Na America já havia muitos tolos, agora vem mais um, ou muito me engano ou vai-lhe acontecer o mesmo que aconteceu ao Kennedy. um tiro nos miolos e acabou-se, não se fala mais no trampa. Dá-me a impressão que o destino do mundo fica nas mãos de um louco. A ver vamos

pub
pub
pub
pub