Bolsa Apple desvaloriza e condiciona bolsas dos EUA

Apple desvaloriza e condiciona bolsas dos EUA

Os índices norte-americanos estão a negociar em terreno negativo, depois de o S&P500 ter atingido um novo máximo histórico na sessão de ontem.
Apple desvaloriza e condiciona bolsas dos EUA
Reuters
Rita Faria 13 de setembro de 2017 às 14:36

Depois dos máximos registados na sessão de ontem, os principais índices norte-americanos abriram em queda esta quarta-feira, 13 de Setembro, com os títulos da Apple em destaque.

 

O índice industrial Dow Jones cai 0,08% para 22.101,97 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,25% para 6.438,33 pontos. Já o S&P500 recua 0,16% para 2.492,42 pontos, após ter alcançado um novo recorde na terça-feira.

 

As acções da Apple descem 1,17% para 158,97 dólares, devido aos receios dos investidores com os preços e datas de entrega dos novos produtos da marca. Numa conferência realizada no anfiteatro Steve Jobs no Apple Park, a nova sede da tecnológica, Tim Cook apresentou os novos iPhone 8 e 8 Plus e o tão aguardado iPhone X.

 

Porém, o preço do iPhone X, lançado em comemoração dos dez anos do icónico smartphone – superior a 999 dólares – está a gerar preocupação entre os investidores, tal como a data fixada para o dispositivo ser colocado à venda – 3 de Novembro – com potenciais constrangimentos nas entregas, antes do Natal.

 

Por outro lado, a Coreia do Norte continua a gerar receios, depois de o próprio Ministério dos Negócios Estrangeiros de Pyongyang ter anunciado que o país vai redobrar os esforços para aumentar a sua força, no sentido de defender a sua soberania.

 

"A adopção de mais uma resolução ilegal e maléfica, liderada pelos Estados Unidos, serviu para a Coreia do Norte confirmar que o caminho que escolhemos seguir está absolutamente correcto", avançou o ministério, citado pela agência noticiosa oficial. "A Coreia do Norte vai duplicar os esforços para aumentar a sua força, de forma a salvaguardar a soberania do país e o seu direito de existência".

 

Foi a resposta oficial da Coreia do Norte à nova resolução das Nações Unidas, que impõe as mais duras sanções sobre aquele país asiático até ao momento.

 

A resposta da Coreia do Norte surge um dia depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter afirmado que as novas penalizações são "apenas mais um pequeníssimo passo".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub