Investidor Privado Pergunta para um milhão de euros: As eleições em França vão penalizar as acções na região?

Pergunta para um milhão de euros: As eleições em França vão penalizar as acções na região?

Neil Dwane argumenta que até serem conhecidos os resultados das eleições os investidores vão permanecer na expectativa.
Patrícia Abreu 17 de abril de 2017 às 11:40
Neil Dwane
Estratego global da Allianz Global Investors


Após meses de especulação em torno da possibilidade da candidata extremista Marine Le Pen ganhar as eleições em França, os franceses vão às urnas no próximo dia 23 de Abril para escolher o seu novo Presidente. E, ainda que as intenções de voto a favor de Le Pen tenham vindo a baixar, o acto eleitoral será seguido com ansiedade pelos investidores. As eleições vão determinar uma nova vaga de turbulência nas acções?

"Em breve vamos descobrir se a onda de populismo que varreu o mundo em 2016, resultando no Brexit e no Presidente Donald Trump vai atingir França", realça Neil Dwane. Mas, para o estratego global da Allianz GI, "com a incerteza de votos em França em níveis recorde - aproximadamente 60% dos eleitores estão indecisos - é difícil fazer previsões". Ainda assim, Dwane acredita que Le Pen e o centrista Emmanuel Macron serão os candidatos vencedores na primeira volta das eleições, agendada para o próximo domingo.

Com tudo em aberto para estas eleições, o estratego da Allianz refere que "uma vitória de Macron na primeira volta, contudo, pode fornecer um suporte para a União Europeia e pode impulsionar os mercados". Após meses de incerteza, os investidores estão na expectativa em relação ao resultado das presidenciais em França, o que justifica o facto de "até lá, os investidores parecerem cautelosos em relação à política europeia e aos activos de risco na Zona Euro".

Mas, o resultado destas eleições poderá, na verdade, marcar um ponto de viragem nas bolsas da região. Neil Dwane não espera "o triunfo de Marine Le Pen na votação final [a segunda volta será a 7 de Maio]". "Acreditamos que a presidência de Emmanuel Macron seria positiva para a Europa como um todo e pode acelerar uma recuperação suave nas acções europeias."

Caso estas expectativas falhem e Le Pen seja a próxima Presidente do Eliseu, então "isto iria aumentar a possibilidade de um 'Frexit' da União Europeia e/ou do euro".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub