Fundos de investimento Associação de fundos, Técnico e CMVM assinam protocolo para desenvolver tecnologia disruptiva

Associação de fundos, Técnico e CMVM assinam protocolo para desenvolver tecnologia disruptiva

A “blockchain”, a tecnologia de base da bitcoin, promete revolucionar a indústria financeira. A APFIPP lidera a criação de uma plataforma piloto para preparar o sector paras as mudanças que aí vêm. Iniciativa junta ainda o Instituto Superior Técnico e a CMVM.
Associação de fundos, Técnico e CMVM assinam protocolo para desenvolver tecnologia disruptiva
André Veríssimo 14 de março de 2017 às 19:33

A Associação Portuguesa dos Fundos de Investimento, Património e Pensões (APFIPP) assinou esta quarta-feira um protocolo de desenvolvimento da "blockchain" com o Instituto Superior Técnico (IST) e a CMVM. Esta tecnologia, que está na base da bitcoin, promete revolucionar a forma como são feitas as transacções financeiras, simplificando os processos e poupando custos.

A assinatura teve lugar esta terça-feira nas instalações da APFIPP, onde foi apresentado o protótipo de uma plataforma de comercialização de fundos usando a "blockchain", desenvolvida em parceria com o IST e a consultora Delloite, com a CMVM como observador.


A "blockchain" é um modelo de encriptação e confirmação múltipla de transacções criado pelo inventor da bitcoin e que constitui a base da moeda virtual. As transacções ficam registadas, não podem ser apagadas e todos os participantes na rede podem em qualquer momento validá-las.


José Veiga Sarmento, presidente da APFIPP, salientou que se trata de uma "tecnologia altamente disruptiva dos processos vigentes", que permitirá uma "simplificação dramática nas operações de negociação" e um "acesso sem restrições dos clientes aos produtos de qualquer gestora que esteja dentro da rede", rompendo com a "lógica de silo em que está organizada a indústria financeira", com os bancos a venderem apenas os seus próprios fundos ou seguros.


Este protótipo, que pretende ser o embrião de uma plataforma a ser usada pelas gestoras de fundos e demais intervenientes, visa desenvolver o conhecimento sobre a nova tecnologia e representa "um apelo à capacidade de inovação de Portugal". O responsável espera ainda que a iniciativa contribua para um aumento das vendas de fundos em Portugal, depois de nos últimos anos se ter vindo a assistir a uma quebra significativa dos montantes investidos pelos clientes.

Arlindo Oliveira, presidente do Instituto Superior Técnico, que apoiou o desenvolvimento tecnológico da plataforma, definiu o "blockchain" como "um aperto de mão tecnológico", aludindo à simplificação que este sistema permite no contacto entre vendedor e comprador. E salientou a importância de existir um projecto deste género em Portugal: "Se a dominarmos podemos desempenhar um papel importante na definição da tecnologia e dos modelos de negócio".

A presidente da CMVM, Gabriela Figueiredo Dias, afirmou que a CMVM "tem bem presente os desafios que esta tecnologia coloca a todos os operadores e ao supervisor. E salientou a "reflexão que é necessário fazer sobre como esta inovação se integra nos princípios da supervisão financeira", desejando que "estas oportunidades sejam oportunidades, mitigando os riscos".

Nuno Alpendre, "partner" da Delloite, assinalou que foi feito um estudo da viabilidade económica da criação de uma plataforma real, sendo que "o investimento inicial é elevado, mas partilhado por todos os integrantes da rede, e que o custo no dia-a-dia é baixo". Segundo José Veiga Sarmento, "ter três ou quatro entidades que estejam interessadas em promover o modelo de negócio será suficiente" e "os bancos já estão a avaliar os custos de ligação". Nuno Alpendre esclareceu que uma plataforma pode estar funcional em nove meses.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.03.2017

Deloitte está mal escrito

Anónimo 14.03.2017

Estamos muito atrasados não vamos começar nada que já não esteja a ser feito a pelos menos 2 Ano em bancos internacionais. Ou acham este iluminados que descobriram a pólvora?

bucks 14.03.2017

A ver vamos...

pub