Obrigações Áustria faz emissão sindicada de dívida a 100 anos

Áustria faz emissão sindicada de dívida a 100 anos

O país pretende financiar-se em, pelo menos, mil milhões de euros numa emissão de obrigações com maturidade em 2117.
Áustria faz emissão sindicada de dívida a 100 anos
Negócios 12 de setembro de 2017 às 16:29

A Áustria pretende levantar pelo menos mil milhões de euros numa emissão de dívida a 100 anos, a primeira emissão sindicada com esta maturidade na Zona Euro.

 

Segundo avança a Bloomberg esta terça-feira, 12 de Setembro, o sindicato bancário é integrado pelo NatWest Markets, Bank of America Merrill Lynch, Erste Group, Société Générale e Goldman Sachs.

 

Citando uma nota do ministério austríaco das Finanças, a agência noticiosa adianta que a procura de potenciais investidores superou os 11 mil milhões de euros.

 

A nova linha de obrigações, com maturidade em 2117, estará a ser colocada com uma ‘yield’ em torno de 2,03%, 50 pontos-base acima das obrigações a 30 anos.

 

Em Outubro de 2016, o país havia emitido 2 mil milhões de euros em dívida a 70 anos.

 

A Bélgica e a Irlanda financiaram-se em 100 milhões de euros, cada um, através da emissão de obrigações a 100 anos, em 2016, mas com colocações privadas.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Esta noticia apenas confirma a boa Há 1 semana

politica seguida pelo atual governo Português. O aproveitamento da atual conjuntura de juros negativos serve justamente para aprovisionar dinheiros que um dia poderão vir a precisar. Os que não entendem isto, são justamente os que vêm apenas os impostos como solução (impossível) para financiar o Pai

pub