Crédito Avaliação bancária das casas em novos máximos de seis anos

Avaliação bancária das casas em novos máximos de seis anos

Pelo quarto mês consecutivo, o valor da avaliação voltou a crescer em Julho, para 1.117 euros por metro quadrado, mais cinco euros do que em Junho, anunciou o INE.
Avaliação bancária das casas em novos máximos de seis anos
Bruno Simão
Paulo Zacarias Gomes 29 de agosto de 2017 às 11:20
A avaliação que os bancos fazem das casas, tendo em vista a concessão de empréstimo para a compra, voltou a subir em Julho, pelo quarto mês consecutivo.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística, o aumento entre Junho e Julho foi de cinco euros, passando para os 1.117 euros por metro quadrado, informou o INE esta terça-feira, 29 de Agosto.

É o valor mais elevado desde Junho de 2011, mês em que atingiu 1.130 euros. O valor mais alto da série, iniciada em Janeiro de 2011, registou-se em Abril desse mesmo ano: 1.156 euros.

Tirando Março deste ano, o valor da avaliação tem vindo a subir consecutivamente desde Abril de 2016, refere o instituto estatístico.

O valor médio dos apartamentos cresceu, no espaço de um mês, nove euros - para 1.167 euros, sendo o maior responsável pela subida da avaliação global -, enquanto o das moradias subiu dois euros, para 1.037 euros por metro quadrado. Centro e Lisboa foram as regiões que registaram maior subida em cadeia (1% e 0,9% respectivamente), caindo 0,8% nos Açores.

Face a Julho de 2016, a subida na avaliação das casas é de 4,6%, acelerando em relação aos 4,4% verificados na variação homóloga de Maio. Nesta variação, as maiores subidas verificaram-se no Algarve e Norte (5,6% e 5,5% respectivamente), enquanto os Açores registaram a pior performance (ainda assim, uma subida de 1%).

(Notícia actualizada às 11:31 com mais informação)