Crédito Avaliação bancária das casas sobe em Agosto para máximos de mais de seis anos

Avaliação bancária das casas sobe em Agosto para máximos de mais de seis anos

A avaliação média das habitações aumentou cinco euros face a Julho para 1.122 euros, o valor mais alto desde Junho de 2011.
Avaliação bancária das casas sobe em Agosto para máximos de mais de seis anos
Miguel Baltazar
Rita Faria 28 de setembro de 2017 às 12:10

A avaliação que os bancos fazem das habitações, com vista à concessão de crédito para a compra, voltou a subir em Agosto para o valor mais elevado em mais de seis anos.

Segundo os dados revelados esta quinta-feira, 28 de Setembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor médio de avaliação bancária aumentou, em Agosto, pelo quinto mês consecutivo, para 1.122 euros por metro quadrado.

Este é o valor mais alto desde Junho de 2011, mês em que atingiu 1.130 euros. O valor mais alto da série, iniciada em Janeiro de 2011, registou-se em Abril desse mesmo ano: 1.156 euros.

O acréscimo foi de 5 euros face a Julho (0,4%) e 4,6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Em Agosto, o valor médio das avaliações bancárias aumentou tanto para as moradias (0,7%) como para os apartamentos (0,5%).

No caso dos apartamentos, o valor médio situou-se em 1.173 euros por metro quadrado, seis euros acima do valor do mês anterior (0,5%). A Região Autónoma da Madeira e o Norte apresentaram os acréscimos mais expressivos (1,8% e 1,3%, respectivamente), fixando-se em 1.273 euros/m2 e 1.019 euros/m2, pela mesma ordem. O Centro registou a única descida (-0,6%), sendo a região NUTS II que apresenta o valor médio de avaliação mais baixo (949 euros/m2).

No que respeita às moradias, a avaliação média foi de 1.044 euros por metro quadrado, sete euros acima do valor de Julho. Em termos homólogos, o aumento foi de 4,5%, acima da subida de 4,3% em Julho.

Os dados do INE mostram ainda que o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, a Região Autónoma da Madeira e o Alentejo Litoral apresentaram valores de avaliação bancária superiores à média nacional. Os valores de avaliação no Algarve e na Área Metropolitana de Lisboa foram, respectivamente, 26% e 21% superiores ao registado para a totalidade do país. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.09.2017

Vamos lá então outra vez brincar às casinhas e às dívidas. Mas não se aleijem muito como da ultima vez!

Anónimo 28.09.2017

Coitado do Bernardo, incomodado porque agora as pessoas estão melhor do que antes. Que chatisse Bernardo.

Bernardo 28.09.2017

Aonde é que já vimos isto? Pescas? Zero. Indústria? Zero. Energia? Zero. A "nossa riqueza" é supermercados e empréstimos para casas e carros. Não se iludam com a conversa do governo. Sim, está mais gente melhor agora mas não tão melhor assim.

pub