Mercados Balanço de 2015: Fusões e aquisições com recorde acima de 5 biliões

Balanço de 2015: Fusões e aquisições com recorde acima de 5 biliões

As fusões e aquisições atingiram máximos históricos em 2015, impulsionadas pelos meganegócios com valores superiores a 50 mil milhões de dólares. A oferta da Pfizer para comprar a Allergan por 160 mil milhões é a maior do ano.
Balanço de 2015: Fusões e aquisições com recorde acima de 5 biliões
Vera Ramalhete 31 de dezembro de 2015 às 15:38

Máximos históricos no montante global das fusões e aquisições. Interesse recorde em empresas norte-americanas. Máximos históricos na saúde e nas tecnológicas. Recorde de meganegócios. 2015 foi o ano dos recordes nos negócios de consolidação.


Com menos negócios, as empresas movimentaram mais dinheiro. As fusões e aquisições totalizam 5,03 biliões de dólares, em 2015, superando anterior máximo histórico de 4,61 biliões de dólares, fixado em 2007. Para este montante contribuiu o crescimento das aquisições norte-americanas, que subiram 57% face ao ano anterior e representaram metade dos negócios a nível mundial, segundo os dados da Dealogic.


Mas os negócios multimilionários foram os principais responsáveis pelo recorde. Foram anunciadas 69 fusões e aquisições com montantes superiores a 10 mil milhões de dólares ao longo do ano. Entre estas, 10 negócios ultrapassaram os 50 mil milhões de dólares.


São os 10 maiores do ano. A cada mês foi surgindo um novo negócio de gigantes que alterava o "ranking". A Pfizer conseguiu ficar com o título de maior aquisição do ano, com a proposta de 160 mil milhões de dólares para comprar a Allergan, em Novembro. Além do maior do ano, é o segundo maior negócio da história. E levou a saúde a liderar a competição entre sectores, atingindo também máximos históricos este ano.


A saúde é seguida de perto pelas tecnológicas, que contam com os quatro maiores negócios de sempre no sector em 2015. A proposta da Dell para comprar a EMC por 66 mil milhões de dólares destaca-se. Mas este é apenas o quinto maior negócio do ano. Além da Pfizer, a Dell é ultrapassada pelas propostas da AB Inbev, da Shell e da Charter Communications para comprar a SAB Miller, a BG e a Time Warner, respectivamente.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lucinda 01.12.2016

That's a clever answer to a tricky quetoisn

pub
pub
pub
pub