Bolsa Banca e Jerónimo Martins pressionaram bolsa nacional

Banca e Jerónimo Martins pressionaram bolsa nacional

Numa sessão em que o BCP, a Jerónimo Martins e o BPI foram as cotadas que mais penalizaram a bolsa nacional, o PSI-20 voltou a negociar em terreno negativo, seguindo assim a tendência verificada nas principais praças europeias.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 17 de junho de 2015 às 16:44

O PSI-20 encerrou a sessão desta quarta-feira, 17 de Junho, a recuar 0,82% para 5.583,60 pontos, com 11 cotadas a negociar em queda, seis em alta e apenas uma inalterada.

 

O principal índice nacional acabou por acompanhar a tendência registada na generalidade das principais praças europeias, numa altura em que o extremar de posições relativas às negociações entre a Grécia e os credores elevou o receio de uma eventual saída grega da Zona Euro.

O Stoxx 600, que agrega as 600 maiores cotadas do Velho Continente, segue a deslizar 0,25%, enquanto a praça helénica terminou a sessão de hoje a perder 1,77%.

Esta manhã, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse estar disposto a assumir a responsabilidade de dizer um "grande não" às instituições credoras caso um acordo final esteja dependente da adopção, por parte de Atenas, de mais medidas de austeridade.

 

Já ontem as autoridades gregas haviam garantido que não estavam disponíveis para fazer mais concessões além daquelas que já tinham admitido na proposta apresentada aos credores no passado fim-de-semana. O Banco Central Europeu alertou esta quarta-feira que a inexistência de um acordo deverá levar à saída da Grécia do bloco do euro.

 

De regresso ao plano nacional, a banca foi o sector que mais penalizou a praça lisboeta. O BCP cedeu 2,84% para 0,0788 euros no dia seguinte à estreia em bolsa dos novos títulos accionistas do banco liderado por Nuno Amado, resultantes da troca de obrigações - e que resultaram em 4,84 mil milhões de novas acções emitidas a 8,34 cêntimos, um valor que é superior à própria cotação do banco.

 

Já o BPI registou a maior desvalorização de entre as 18 cotadas do PSI-20. O banco liderado por Fernando Ulrich caiu 6,36% para 1,236 euros, já depois de a assembleia-geral da instituição, que reuniu esta manhã, ter votado contra o único ponto da ordem de trabalhos e que se referia à modificação dos estatutos de forma a retirar a limitação aos direitos de voto actualmente definida em 20%.

 

O Banif terminou o dia inalterado nos 0,0066 euros.

 

A Jerónimo Martins, que deslizou 2,18% para 11,895 euros, também foi uma das cotadas que mais penalizou o principal índice nacional, enquanto a Sonae registou uma queda menor, de 0,86%, para 1,148 euros. 

Mais dividido foi o sentimento no sector energético. Enquanto a EDP Renováveis perdeu 0,73% para 6,487 euros, a EDP avançou 0,44% para 3,386 euros e a Galp Energia ganhou 0,70% para 10,78 euros.

 

E a travar uma queda mais acentuada do PSI-20 estiveram os sectores da construção e das empresas ligadas ao ramo das telecomunicações. A Mota-Engil valorizou 3,67% para 2,007 euros, ajustando assim das fortes perdas verificadas na sessão de ontem, dia em que perdeu mais de 8% após ter anunciado uma oferta de obrigações para os pequenos investidores, num montante de 70 milhões de euros. Com esta operação, a construtora pretende financiar-se num total de 95 milhões de euros.

 

A Teixeira Duarte também somou 0,94% para 0,535 euros.

 

Também em alta, a Pharol (antiga PT SGPS) cresceu 2,71% para 0,379 euros e a Nos cresceu 0,32% para 6,67 euros. 


(Notícia actualizada às 17h)




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.06.2015

Não deixa de ser curioso, e uma "estranha coincidência", que muitos dos negócios em que a filha do ditador angolano está metida acabem sempre mal para os pequenos accionistas.

1) Lançou uma OPA mal parida e fadada ao insucesso sobre a PT, levando a que muitos tenham comprado ou reforçado as suas carteiras. Agora, é o que se sabe.

2) Alia-se aos Violas para inviabilizar a desblindagem dos estatutos do BPI, fazendo morrer a OPA do CaixaBank; resultado: a cotação do BPI caiu a pique, e a breve prazo estará onde estava antes do lançamento da OPA, fazendo mais uma vez perder milhares a muitos pequenos investidores.

E desiluda-se quem pensar que assim a fusão BCP/BPI tem mais pernas para andar; pessoalmente, não acredito, mas mesmo que venha a acontecer, nada garante uma valorização das carteiras dos pequenos accionistas.

Mas a ela não lhe falta dinheiro, claro...
Coitado deste nosso país, está entregue a um triste destino, nas mãos desta cáfila...

O PSI18 até podia ter caído menos, se a Galp tem mantido a cotação a que chegou (10,92 , mais 2%). Mas entretanto foram divulgados os dados sobre a variação semanal de stocks de "crude oil" nos EUA e pronto: a cotação veio por aí abaixo, perdendo mais de 2 USD por barril numa hora (queda de mais de 3%), fazendo com que a subida da Galp tenha sido bem mais ténue.

comentários mais recentes
Anónimo 17.06.2015

Sexta a bolsa desce bem

dias 17.06.2015

Fanhoso ficaste fanhoso por estares falido

Anónimo 17.06.2015

onde andam as 17.000 inteligências que trocaram obrigações do bcp pela trampa das ações? Com um povo destes, burro como uma porta, só temos a bolsa, politicos e gestores que merecemos.

Anónimo 17.06.2015

preparam-se para quedas de 8% nas banquetas falidas, quando a grécia sair. As outras tb vão cair bem, mas as banquetas que temos que só funcionam à base do roubo aos clientes e acionistas vão cair bem mais.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub