Bolsa Banca italiana em forte queda. Monte Paschi adia decisão sobre recapitalização

Banca italiana em forte queda. Monte Paschi adia decisão sobre recapitalização

A banca italiana registou um dia de fortes perdas, depois da vitória do "não" no referendo de Itália que aumentou os receios em torno do sector. O Monte dei Paschi adiou a decisão sobre a implementação do plano de recapitalização.
Banca italiana em forte queda. Monte Paschi adia decisão sobre recapitalização
Bloomberg
Sara Antunes 05 de dezembro de 2016 às 17:05

As acções da banca italiana registaram esta segunda-feira, 5 de Dezembro, quedas acentuadas, em reacção ao resultado do referendo que deu vitória ao "não" à alteração da Constituição e ditou a saída de Matteo Renzi do Governo.

 

Este contexto gerou uma grande incerteza, com os investidores de olhos postos em especial na banca, que já estava sob os holofotes devido às fragilidades identificadas após resultados dos testes de stress conhecidos no Verão.

 

O único banco que chumbou foi o Monte dei Paschi, que tem de se recapitalizar em cinco mil milhões de euros até ao final do ano. Ontem, depois de conhecidos os resultados do referendo foi noticiado que o banco – o mais antigo do mundo – convocou os consultores JPMorgan e Mediabanca, que estão a assessorar o processo de recapitalização, para se decidir o que fazer. O objectivo era avaliar se se avança com o plano ou se, por não haver condições de mercado, se deixa cair o processo. Neste último caso, a solução seria um resgate público.

Esta segunda-feira, a agência de informação Ansa revela que a opção foi a de adiar por três ou quatro dias a decisão.

 

As acções do Monte dei Paschi fecharam a sessão a perder 4,21% para 18,68 euros, acumulando uma queda de 84,8% desde o início do ano. Mas não é só este banco a registar fortes quedas, nem a estar sob forte pressão.

 

O Popolare di Milano caiu deslizou 7,72%, tendo sido o que mais recuou, o Banco Popolare desceu 6,94%, o Mediobanca recuou 3,94% e o Unicredit depreciou 3,17%. Entre os 44 membros do Dow Jones para a banca apenas oito recuaram, dois quais seis são italianos.

 

O Unicredit também tem estado sob os holofotes, mas por ter sido noticiado que estava a negociar a venda da gestora de activos Pioneer, por valor que pode superar os três mil milhões de euros.

 

Esta segunda-feira, o Wall Street Journal adianta que antes de concretizar a venda da gestora, o banco poderá receber um dividendo extraordinário entre 500 a 800 milhões de euros da Pioneer.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.12.2016

Diz o ditado:numa casa onde nao ha pao todos ralham e ninguem tem razao.O pais chegou a um ponto que os italianos ja nao acreditam quer na direita quer na esquerda:espatifaram tudo,esta tudo em cacos.o 3 pais mais industrializado no velho continente tornou-se 1 pede esmola da rua S.Catarina no porto

pub
pub
pub
pub