Mercados Banca só aumenta financiamento a grandes empresas

Banca só aumenta financiamento a grandes empresas

Os novos financiamentos da banca aumentaram 13% em Junho, quando comparado com o mês anterior. Um aumento que é justificado pelos novos créditos a empresas superiores a um milhão de euros. Famílias viram os novos financiamento diminuírem para um valor inferior a 500 milhões de euros, algo nunca visto.
Sara Antunes 06 de agosto de 2012 às 12:37
A banca emprestou 4,59 mil milhões de euros, em Junho, às empresas e famílias, de acordo com os dados estatísticos divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal. Este valor corresponde a um aumento de 13,23% face a Maio e de 1,3% quando comparado com igual período do ano passado.

Deste total, 4,1 mil milhões de euros, ou 89,5%, corresponde a empréstimos realizados a empresas. Este é o maior peso alguma vez observado, segundo os dados do BdP que reportam a Janeiro de 2003.

Assim, o financiamento às empresas cresceu 17,34% em termos mensais e 13,74% em termos homólogos. Uma evolução que é explicada pelos financiamentos feitos a grandes empresas. Estas viram os novos créditos aumentar em mais de 41%, em termos mensais, para um total de 2,49 mil milhões de euros.

Já os financiamentos até um milhão de euros caíram 7,1% para 1,62 mil milhões de euros. Em termos homólogos a queda é de 11,48%.

Famílias com o menor financiamento de sempre

Os novos créditos às famílias estão em mínimos de, pelo menos, Janeiro de 2003 que é o registo mais antigo divulgado pelo BdP.

No total, a banca concedeu 481 milhões de euros em novos créditos para os particulares, o que representa uma descida de 12,86% face a Maio e de 47,60% quando comparado com igual período do ano passado.

Este valor espelha bem a realidade da concessão de crédito em Portugal. Entre o final de 2003 e meados de 2008, só os novos financiamentso para a compra de casa superavam os mil milhões de euros. Nessa altura, os empréstimos às famílias eram superiores a dois mil milhões de euros por mês.

Mas isso foi antes da crise financeira assolar os mercados e ter dado origem a uma crise de dívida na Europa. O que provocou o pedido de intervenção externa em Portugal, dando origem ao fecho dos mercados para a banca nacional. E isso tem-se reflectido na concessão de crédito. Os bancos dificultam o acesso ao crédito, porque eles próprios têm dificuldade em o obter.

Por outro lado, a procura de financiamento por parte das famílias também tende a diminuir, numa altura de grande incerteza económica, com uma taxa de desemprego acima dos 15%, pela primeira vez na história, com aumento de impostos e redução de rendimentos por parte de muitas famílias, nomeadamente dos funcionários públicos.

Assim, as famílias conseguiram financiar-se em 156 milhões de euros para comprar casa, em 161 milhões de euros para consumo e em 164 milhões para outros fins.



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dr.º César 06.08.2012

Já posso comprar aquele Ferrari que há algum tempo..., é para quem pode!

Ze Carlos 06.08.2012

Deram MAIS credito ao consumo e outras fins do que para habitação?!..

O BPI e BCP, bancos que irão ser recapitalizados 06.08.2012


O BPI e o BCP - excepto o BES -, os quais vão ser recapitalizados com dinheiro do Estado, isto é, dos contribuintes portugueses, têm a obrigação estrita de estenderem também às pequenas e médias empresas o apoio em matéria de crédito, especialmente as empresas saudáveis e que exportem os produtos criados.

O Governo tem de levar em linha de conta que não só as grandes empresas são necessárias para promover as exportações, mas igualmente as pequenas e médias têm o direito de ser apoiadas, sendo que, no âmbito deste pressuposto, tem de impor ao BPI e BCP,os Bancos que o Estado capitaliza, essa obrigatoriedade.

É tanto mais imperioso que assim seja, porque, se assim não for, as ditas pequenas e médias empresas serão estranguladas, por falta de financiamento, e serão mais uns milhares largos de desempregados que irão para o Fundo de Desemprego e que terão de ser mantidos com o dinheiro dos contribuintes.

Carlos Gomes 06.08.2012

A julgar pelos comentários abaixo, é melhor fechar todos os bancos (esses antros de malfeitores)!
Podem depois pedir dinheiro emprestado ao PS, ou ao Bloco de Esquerda, ou ao PCP.A julgar pelas opiniões destes partidos (na mesma linha), já devem ter o plano B na manga.

ver mais comentários
pub