Mercados Banca "não está sensível" ao problema dos sobreendividados
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Banca "não está sensível" ao problema dos sobreendividados

Os bancos não respondem aos primeiros sinais de alerta e depois quando as coisas se concretizam e a insolvência se revela inevitável, também não se mostram disponíveis para, por exemplo, aceitar planos de pagamentos.

Os bancos não respondem aos primeiros sinais de alerta e depois quando as coisas se concretizam

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2012

Quase toda a gente que se anda a pronunciar sobre esta tema sabe muito pouco sobre o assunto. É falso quando se diz que a Banca não está sensível à procura se soluções para resolver o problemas dos endividados. Há já muitos mecanismos, há mais de um ano, para minimizar o incumprimento. A realidade é que é bem diferente...Nem o (des)governo pára de afundar o país e as famílias, nem estas deixam o tipo de vida a que se habituaram durante anos e anos.E os vícios são tantos...Sou bancário e sei do que falo...

LIXXADO 19.04.2012


NÃO TIVE PUDOR OU VERGONHA DE EXPOR MEU CASO AQUI,SIMPLESMENTE PELO FACTO DE QUE NO MEU CASO OBTIVE UMA HIPOTECA PARA COMPRAR UMA CASA,ÚNICA E TÃO SOMENTE PARA ISSO. RECRIMINO AQUELES IRRESPONSÁVEIS TANTO NA BANCA COMO FAMÍLIAS QUE SE APROVEITARAM DESTA SITUAÇÃO PARA SE "ARMAREM" EM UMA CLASSE SOCIAL QUE NÃO PERTENCEM, COM MUITA AJUDA DAQUELES QUE GANHARAM MUITO DINHEIRO COM ESTA IRRESPONSABILIDADE.

Anónimo 19.04.2012

OS BANCOS HOJE ESTÃO ÁS MOSCAS,NÃO HÁ DINHEIRO PARA LÁ POR,E NINGUÉM PEDE EMPRESTADO PORQUE ELES NÃO EMPRESTAM,SÓ ROUBAM EM COMISSÕES,QUANTO NÃO MUDAREM ESTA FORMA DE ACTUAR E SER SINCEROS QUE É O QUE NÃO LHES INTERESSA NAD ASE RESOLVE SÓ COMPLICA,CRÉDITO MAL PARADO,COMIÕES,JUROS ACIMA DO ACEITAVEL ETC.ATÉ O AR QUE SE RESPIRA DENTRO DO BANCO SE PAGA

Anónimo 19.04.2012


Não! Todo dinheiro da Troika destina-se a dois fins: refinanciar a dívida e injectar capital na banca. Portugal pede dinheiro emprestado à Troika para amortizar dívidas contraídas junto da banca (dos 78 mil milhões pedidos à Troika 12 mil milhões são para financiar a banca e 34 mil milhões para pagar juros e comissões). Pede dinheiro para pagar dívida, a dívida gera juros, os juros geram a necessidade de pedir mais dinheiro…
Portanto, a canalha que aqui comenta a favor dos interesses da banca não passam de indigentes mentais. Privatizar lucros e socializar prejuízos. A banca a viver à conta dos portugueses que lhe empresta dinheiro. Só a nacionalização impedirá a agiotagem e a ganância.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub