Crédito Bancários vão precisar de curso para dar crédito à habitação
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Bancários vão precisar de curso para dar crédito à habitação

A exigência de formação para conceder crédito para a casa decorre da legislação que entrou em vigor no início do ano. Contudo, ainda não há nenhuma instituição certificada para poder dar esta formação aos trabalhadores dos bancos.
Bancários vão precisar de curso para dar crédito à habitação
Miguel Baltazar
Raquel Godinho 19 de janeiro de 2018 às 07:00

Para poderem conceder crédito à habitação, os funcionários dos bancos nacionais terão de fazer uma formação. Os primeiros serão aqueles que têm menos de três anos de experiê)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Comunicação Social: Silêncio é mau indício... Há 22 horas

Pode não ser nada, pode ser apenas timidez,
ou um estilo de gestão herdado das memórias de um passado
em que os cidadãos e os clientes das instituições,
não tinham direito a que a Imprensa desse expressão aos seus desejos,
às suas críticas, ás suas suspeitas de “onde há fumo há fogo”.
Mas ao invés hoje, pode ser indicio de uma preocupação em que não seja tomado conhecimento de
"esqueletos escondidos nos armários”,
atitude que de forma alguma é salutar seja para quem for,
e principalmente para quem relativamente a esses “esqueletos”,
não tenha, nem muito logicamente possa ter,
"pesos na consciência " ou “culpas no cartório” …

comentários mais recentes
Falai Votantes de muita fé ! Há 4 semanas

Falai de pé e em defesa do Vosso Pastor !
Mostrai que nessa Casa com tradições de Trabalho, de Profissionalismo, de Competência, de Criatividade, de Espírito de Missão aos serviço dos superiores interesses dos Clientes e do País – não são apenas Gurus vindos de fora que têm direito a usar da Palavra.
São também os da Casa que, numa tradição que vem de longe e que várias gerações defenderam sem tibiezas, fruem do direito de exporem de pé e com dignidade, os seus pontos de vista, sejam eles quais forem,
indo além de atitudes passivas de meros Votantes, e ao arrepio de quaisquer interesses pessoais.
Falai Mulheres e Homens dessa Casa, e Votantes silenciosos deste Fórum em que reina a Liberdade,
que é a melhor forma de honrarem as tradições dessa Casa e, no fundo, de apoiarem o Vosso atual Pastor,
se assim o entenderem em consciência.

Potenciar o papel dos Bancários... Há 4 semanas

Kudos que se exija mais em matéria de formação certificada, complementarmente a estímulos para autoformação.
Mas a Formação, para além da sua relevância no plano da realização pessoal, é também dimensão decisiva numa prioridade crítica para o País:
O incremento da Produtividade.
Ora, em relação a tal, não vejo aflorarem sintomas de algo que também deveria ser tido como particularmente relevante:
Esforço criativo no desenvolvimento de “ferramentas” de apoio
no sentido de libertar os Bancários de tarefas rotineiras
suscetíveis de serem efetuadas (até com mais segurança) por softwares especializados,
libertando-os para aquilo que potencia o seu papel,
e em que acrescentam (e sempre acrescentarão) mais valor:
1-A adaptabilidade inteligente e rápida a situações que escapam ao trivial
e que, mais do que respostas rotineiras,
implicam recurso a inteligência humana, à experiência, a competências complexas;
2-O contacto humano com todo o calor único de confiança e de motivação que envolve.

Cidadão- anónimo Há 4 semanas

É esta a minha opinião de cidadão-anónimo, de investidor, de cliente de bancos:
1-Como cidadão:
De acordo em que a Gestão de Ativos, oferecendo a quem poupa rendibilidades que os bancos nunca poderão dar, pode premiar a poupança, estimulando- a;
De acordo que o País, se se quer desenvolver, aproximar-se da Europa e dar trabalho aos seus Filhos -tem de investir;
E, se não queremos deixar a quem nos vai continuar um país mais pobre do que o que recebemos dos nossos Pais, temos de aumentar a poupança.
2-Como Investidor:
Procuro em Portugal qualidade que não seja inferior à que hoje já posso encontrar num horizonte de pesquiza que me oferece as melhores oportunidades a nível mundial;
3-Como cliente bancário:
De acordo com a importância dos Bancários. Mas desejo que os bancos não me tosquiem á sorrelfa com comissões sem relação com custos, e utilizem a Gestão de Ativos como pretexto para justificar “tachos” parasitários, em setor em que devem prevalecer preocupações de rigor e competência.

Ouriço Caixeiro Há 4 semanas

De acordo quanto à importância do papel dos Bancários no aumento da Literacia Financeira.
São eles que estão em contacto com a população, e muitos casos de sucesso em Portugal são devido a eles, ao seu profissionalismo, ao seu entusiasmo, à sua dedicação.
Na cadeia de ações de que pode depender o incremento do grau de Literacia dos Portugueses, o elo mais relevante e em que se consegue uma melhor relação custo-benefício, é o elo referente aos Bancários, à sua formação, motivação, informação e apoio.
Mas não se oferecem omeletes de qualidade, sem ovos também de qualidade.
E não se peça aos Bancários que hipotequem uma confiança que conquistaram, vendendo produtos que lhe foram apresentados como lebres e que depois se verifica serem… gatos!
É necessário, portanto, que as Gestoras de Ativos façam um esforço no sentido de que haja a fundada convicção relativamente aos produtos que estão a oferecer, de que que não tenham qualidade inferior ao que a concorrência estrangeira oferece.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub