Crédito Bancos emprestam menos dinheiro às famílias e empresas em Julho

Bancos emprestam menos dinheiro às famílias e empresas em Julho

O montante concedido pelas instituições financeiras, em Julho, recuou ligeiramente, de acordo com os dados do Banco de Portugal. A diminuição referiu-se tanto às famílias como às empresas.
Bancos emprestam menos dinheiro às famílias e empresas em Julho
Raquel Godinho 12 de setembro de 2017 às 12:11

Os bancos nacionais emprestaram 1.173 milhões de euros aos particulares, em Julho. Um montante que ficou aquém dos 1.286 milhões de euros concedidos um mês antes, segundo os dados do Banco de Portugal, publicados esta terça-feira. A queda foi sentida em todos os segmentos. Também às empresas foi emprestado menos dinheiro.


O mês de Julho significou uma queda nos montantes financiados. Para a compra de casa, foram emprestados 683 milhões de euros, menos do que os 754 milhões de euros concedidos em Junho e que tinha sido um máximo de Dezembro de 2010.


Nos primeiros sete meses do ano, os bancos concederam 4.504 milhões de euros em crédito à habitação, mais 41,5% do que no mesmo período do ano passado. Os bancos mantêm, assim, a sai disponibilidade para emprestar dinheiro para a compra de casa, o que tem tido reflexo no corte sucessivo dos "spreads". A margem mínima média já é de 1,5%.


O crédito ao consumo também tem sido um dos principais impulsionadores do financiamento às famílias, ainda que tenha diminuído em Julho. Foram emprestados 328 milhões de euros, menos do que os 340 milhões de euros concedidos um mês antes. No acumulado do ano, já foram emprestados 2.318 milhões de euros, mais 8,8% do que no período homólogo.


Já no que diz respeito ao crédito para outros fins foram concedidos 162 milhões de euros, menos 30 milhões de euros do que no mês anterior. Desde o início do ano, este segmento captou 1.154 milhões de euros.


Deste modo, os bancos emprestaram, em Julho, menos dinheiro às famílias. E o mesmo aconteceu com as empresas. No total, foram concedidos 2.553 milhões de euros a sociedades não financeiras, menos 169 milhões de euros do que em Junho.


A maior quebra foi registada nas grandes empresas. Foram concedidos 1.087 milhões de euros, menos 111 milhões de euros do que em Junho. Já as operações até um milhão de euros ascenderam a 1.466 milhões de euros, aquém dos 1.524 milhões de euros emprestados um mês antes.


No acumulado do ano, as empresas já pediram 16.478 milhões de euros emprestados à banca, menos do que os 17.932 milhões de euros concedidos nos primeiros sete meses do ano passado. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pierre Ghost Há 1 semana

...e era aqui que entrava o Banco de Fomento !!!
Para emprestar aqueles que os bancos nao emprestam !!!
Claro...apos analise de risco.
Mas o bosta resolveu usar este banco e colocou-o ao serviço...dos outros bancos...onde vai assumir o mal parado de um minimo de 10.000M...
E esta hein !!???

pub
pub
pub
pub