Bolsa Bancos internacionais recomendam reduzir nas bolsas europeias

Bancos internacionais recomendam reduzir nas bolsas europeias

Após o forte fluxo de investimento para as acções europeias nas últimas semanas, o Bank of America diz que a tendência é agora mais "frouxa".
Bancos internacionais recomendam reduzir nas bolsas europeias
Bloomberg
Negócios 16 de maio de 2017 às 19:48

Depois dos índices DAX e FTSE terem fixado máximos históricos na segunda-feira, o JPMorgan aconselhou os seus clientes a cortarem a exposição às acções europeias. Mislav Matejka, gestora do banco de investimento, sugeriu mesmo que os investidores construam posições curtas (que beneficiam com a desvalorização dos títulos).

 

Esta terça-feira foi a vez de o Bank of America Merrill Lynch fazer uma recomendação semelhante. No relatório onde divulga os resultados do habitual inquérito aos gestores de fundos mundiais, um responsável do banco de investimento reconhece que os gestores de fundos estão mais optimistas com as perspectivas para a Europa, mas grande parte das boas notícias já estão reflectidas nas actuais cotações.

 

Depois do sentimento "bullish" que tem dominado as bolsas europeias, "poderá estar para breve um período de consolidação", refere Ronan Carr, citado pelo Wall Street Journal.

   

Depois do forte fluxo de investimento para as acções europeias nas últimas semanas, o Bank of America diz que a tendência é agora mais "frouxa". De acordo com o banco, o dinheiro aplicado pelos fundos em acções europeias atingiu um máximo de Março de 2015 e o terceiro mais elevado de sempre. Esta conclusão surge do inquérito do Bank of America junto de 213 gestores de fundos que gerem activos no valor de 654 mil milhões de dólares.

 

Mais de um terço dos gestores inquiridos considera que as acções globais estão sobrevalorizadas, o que representa o nível mais alto desde Janeiro de 2000. As perspectivas são mais pessimistas para as acções norte-americanas, já que para 82% dos gestores Wall Street está em níveis exagerados.  

 


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Jorge Silva Há 6 dias

Para o Investidor. Isto é jornalismo em condições e não da treta! O JPMorgan é assim-assim, agora o Bank of America é para levar muito a serio (é o banco do dinheiro "inteligente"). Se queres tretas, então segue a Bloomberg, CNBC, e as recomendações entala patos da GS...o dinheiro é teu ;-)

Farto Há 6 dias

Este é o aziado obsessivo que mais não faz do que comentar arbitrariamente tudo o que são boas notícias para o país, apenas por motivações políticas doentias.... Quem o quiser conhecer melhor aqui fica o links da aberração... http://joaotavora.blogs.sapo.pt/

Farto Há 6 dias

Existe um monárquico manieto de direita, a comentar tudo o que são boas notícias, usa diversos nicks, mas ultimamente comenta como anónimo, pensa ele que está incógnito, mas a forma como escreve este aziado profissional, já não engana ninguém..... Mais conhecido como criador de touros..... João tavo

Investidor Há 6 dias

Que noticia da treta. Devia ser: "Há dois bancos que recomendam vender. Há muitos mais que recomendam comprar. Nnguem sabe quem está certo. Mas temos que dar noticias de treta porque não é todos os dias que temos Papa, Benfica e Salvador. A vida de jornalista é dura. Vou chorar." Era isto.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub