Bolsa Barclays e Time lançam novo índice accionista baseado na Fortune 500

Barclays e Time lançam novo índice accionista baseado na Fortune 500

O objectivo é utilizar o nome da Fortune num índice bolsista. Para o grupo editorial, é uma forma de diversificar as fontes de receita numa altura em que o conglomerado se debate com uma redução das vendas de publicações.
Barclays e Time lançam novo índice accionista baseado na Fortune 500
Reuters
Negócios com Reuters 26 de junho de 2017 às 14:37

O banco Barclays e o grupo de publicações Time vão lançar um novo índice de acções que utilizará a marca Fortune, baseado no ranking das 500 maiores empresas levado a cabo por esta publicação.

O novo índice - denominado Fortune 500 Equal Weighted Index – arrancará em Julho e vai acompanhar o desempenho de empresas cotadas que, no seu conjunto, têm receitas superiores a 11 biliões de euros.

Segundo a Reuters, esta associação do nome da revista a um índice bolsista permite diversificar as fontes de receita do grupo de publicações que se debate com uma redução das vendas no sector editorial.

"Estamos a tentar ser criativos nas formas de expandir a nossa marca. Francamente, este índice já deveria ter sido criado há muito tempo," disse à agência noticiosa Brian O'Keefe, subdirector da revista Fortune.

A contrapartida financeira para a revista (que no início deste mês despediu 300 pessoas) não foi divulgada. "O licenciamento de índices não é um negócio fenomenalmente lucrativo," esclarece Dave Nadig, CEO do ETF.com.

O novo índice que nasce em Julho atribuirá o mesmo peso a todas as acções componentes, ao contrário do que acontece com o S&P 500 onde estão organizados por valor de mercado.

Para o último trimestre do ano está previsto o lançamento de novos índices baseados na performance por receita e lucro, refere o administrador do Barclays, Dupe Adeyemo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar