Obrigações BCE comprou 517 milhões em obrigações portuguesas. Dívida italiana é a favorita

BCE comprou 517 milhões em obrigações portuguesas. Dívida italiana é a favorita

O Eurosistema aumentou, em Julho, o ritmo das compras de dívida pública, numa altura em que os analistas temem os efeitos dos constrangimentos do programa.
BCE comprou 517 milhões em obrigações portuguesas. Dívida italiana é a favorita
Bruno Simão
Rui Barroso 07 de agosto de 2017 às 15:28

O BCE acelerou o programa de compras de dívida do sector público no mês passado. Ao abrigo deste programa, o Eurosistema adquiriu 51.875 milhões de euros de obrigações soberanas, o que compara com as compras de 51.607 milhões de euros feitas em Junho. Isto numa altura em que os analistas têm alertado para o facto de haver cada vez menos obrigações disponíveis para as compras do banco central. A dívida italiana aparenta ter sido a mais privilegiada nas compras.

Portugal é um dos casos em que essas limitações são mais evidentes. Desde o Verão do ano passado, que o Eurosistema faz compras de dívida nacional bem abaixo das metas implícitas pela regra da chave de capital de cada país no BCE. Uma das regras do programa é que o banco central não pode deter mais de 33% de uma determinada obrigação ou da dívida considerada para efeitos do programa. E o elevado peso dos empréstimos europeus e, se bem que menor, do FMI, fazem com que existam poucos títulos disponíveis para as compras do banco central, de forma a evitar comprometer aquela regra.

Ainda assim, no mês passado houve uma recuperação ligeira nas compras de dívida portuguesa. Depois de as aquisições terem atingido o valor mais baixo de sempre em Junho (ficando em 498 milhões de euros), em Julho o montante foi de 517 milhões de euros, segundo dados divulgados pelo BCE esta segunda-feira, 7 de Agosto. Ainda assim, o valor fica abaixo de metade da meta implícita pela participação de Portugal na chave de capital do banco.

Dívida italiana acima da meta

Também as compras de dívida italiana aumentaram. Foram de 9.623 milhões de euros, bem acima do montante que o BCE costumava comprar nos primeiros meses do programa, altura em que as aquisições eram de entre 7.000 e 8.000 milhões de euros. Segundo contas de Frederik Ducrozet, economista da Pictet, ficaram mais de 1.000 milhões acima da meta.

O mercado tem estado também atento sobre se o BCE continua a dispor de dívida alemã suficiente para executar o programa, dadas as compras abaixo da meta implícita nos últimos meses. No entanto, em Julho, as compras germânicas recuperaram de 11.892 milhões de euros para 12.169 milhões de euros, ligeiramente abaixo da meta implícita.

Já as obrigações gaulesas, que o Eurosistema estava a privilegiar nos últimos meses, foram alvo de compras de menor dimensão, ficando novamente em linha com a meta implícita. Desceram em 800 milhões de euros para pouco mais de 10.000 milhões.

No total do programa alargado de compra de activos, que além da compra de dívida pública engloba ainda aquisições de obrigações empresariais, obrigações cobertas e dívida titularizada, as compras em Julho situaram-se em 60.434 milhões de euros.

O BCE tem como objectivo fazer compras de 60.000 milhões por mês até, pelo menos, final de Dezembro. O banco central ainda não indicou como irá executar a redução gradual do programa, que os analistas antecipam que ocorra no próximo ano. Para Agosto, as compras do banco central deverão reduzir-se de forma significativa dada a menor liquidez no mercado. 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

A politica do Draghi está toda virada para a Itália-a irresponsabilidade dos politicos e banqueiros,que todos nós pagamos.Têm de ser os alemães a acabar com isto

comentários mais recentes
DPEREIRA-HP Há 2 semanas

Oh camilo! Ainda continuas a ladrar para ver se chega o "belzevu"? O "profeta" que anunciou a sua chegada está para férias a refrescar as ideias, enquanto tu, coitado!..., continuas desesperado. Não diz muito das tuas competências!... Muda de vida ...

Anónimo Há 2 semanas

Isto é que é confiança no mercado europeu. Tem de ser o BCE a comprar as obrigações senão ninguém comprava. Até quando? Como é que vão arranjar dinheiro para pagar os juros? Já não falo do capital que deve ser para esquecer.

Anónimo Há 2 semanas

A bolha das dívidas públicas sempre a crescer e segundo alguns analistas parece que mais uma vez vai rebentar primeiro nas terras do tio Sam para depois se alastrar a outras economias!

Anónimo Há 2 semanas

O BCE, Banco Central Etaliano, o padroeiro dos sobre-endividados. Como? Criando condições para que fiquem ainda mais endividados. Ou seja, agravando o problema e chutando para a frente a hora da verdade.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub