Obrigações BCE continua a comprar menos de 500 milhões de dívida portuguesa

BCE continua a comprar menos de 500 milhões de dívida portuguesa

Foi o terceiro mês consecutivo que o Eurosistema comprou menos de 500 milhões de euros em obrigações portuguesas.
BCE continua a comprar menos de 500 milhões de dívida portuguesa
Bruno Simão
Patrícia Abreu 06 de novembro de 2017 às 15:41

O Banco Central Europeu (BCE) comprou 489 milhões de euros em obrigações portuguesas, em Outubro. O Eurosistema continua, assim, a comprar títulos de dívida bem abaixo das metas implícitas pela regra da chave de capital de cada país no BCE.


De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira, 6 de Novembro, o banco central continua a comprar menos de 500 milhões de euros em dívida portuguesa. A instituição liderada por Mario Draghi investiu 489 milhões de euros, abaixo dos 494 milhões investidos em Setembro. No total, o Eurosistema detém 30.059 milhões de euros em dívida nacional.


Ao contrário do que tem acontecido com alguns países, em que o BCE tem estado a comprar dívida acima da chave de capital, no caso português as compras têm ficado aquém dos limites fixados pela instituição. As aquisições atingiram o valor mais baixo de sempre em Agosto, quando o BCE investiu apenas 414 milhões de euros na compra de obrigações portuguesas.


No total, o BCE investiu 50.174 milhões de euros na compra de obrigações soberanas, em Outubro, ligeiramente abaixo dos 50,8 mil milhões de dívida investidos um mês antes. Alemanha e França foram os países que registaram o maior volume de compras. O BCE adquiriu 11,55 mil milhões de euros em obrigações alemãs e 10,5 mil milhões em dívida francesa.


O programa de compras do BCE prevê o investimento mensal de 60 mil milhões de euros na compra de títulos de dívida, um valor que vai cair para metade a partir de Janeiro do próximo ano.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub