Obrigações BCE trava a fundo compras de dívida portuguesa. Janeiro foi o mês menos activo do programa

BCE trava a fundo compras de dívida portuguesa. Janeiro foi o mês menos activo do programa

O BCE continua a desacelerar as compras de obrigações nacionais. Em Janeiro teve o mês menos activo desde o início do programa alargado de compra de activos. Comprou menos de metade da meta implícita.
BCE trava a fundo compras de dívida portuguesa. Janeiro foi o mês menos activo do programa
REUTERS
Rui Barroso 06 de fevereiro de 2017 às 15:12

O BCE voltou a reduzir o ritmo das compras mensais de obrigações portuguesas. Em Janeiro, as aquisições foram de 688 milhões de euros, o mês menos activo desde o início do programa alargado de compra de activos, em Março de 2015. E o montante é menos de metade do implícito pela participação de Portugal na chave de capital do BCE, 1.400 milhões de euros.

Desde Abril que as compras do banco central ficam abaixo da meta indicativa e, de mês para mês, estão cada vez mais baixas. Os analistas têm avisado que, dada a regra de que o banco central não pode deter mais de 33% de uma linha de obrigações ou do total dos títulos de dívida considerados pelo programa, o BCE está a ficar sem margem de manobra para comprar obrigações nacionais. Alguns bancos de investimento mostraram mesmo cautela para a evolução das obrigações portuguesas devido a esse factor.


Em Dezembro, o BCE alterou alguns dos parâmetros das compras. Mas manteve aquela limitação, com Draghi a referir constrangimentos institucionais para a alterar. A menor actividade do BCE no mercado, a par da maior percepção risco sobre a dívida europeia e da reavaliação das obrigações a nível global, tem penalizado as taxas portuguesas. 


Se antes da reunião do BCE de 8 de Dezembro, a taxa a dez anos era de 3,513%, esta segunda-feira transacciona em 4,237%, o valor mais elevado em quase um ano. Já o prémio de risco, a diferença entre o que o mercado exige para deter títulos portugueses em vez de alemães, está no nível mais elevado desde 2014.

(Notícia actualizada às 15:25 com mais informação)


A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.02.2017

Lá está... Os GLOBALISTAS a querer acelerar a ESCRAVIZAÇÃO dos países do Sul da Europa... Pergunto para que serve Portugal continuar nesta m*rda de União Europeia. O objectivo é manter-nos eternamente endividados. É um JOGO VICIADO. Quando estamos quase a libertar-nos, cortam-nos novamente as pernas

Anónimo 07.02.2017

Quando os juros sobem,mostram que o credor não confia no devedor. O sr P da República serena diz que está tudo bem. È bom ter em quem acreditar

pertinaz 07.02.2017

OH DIABO !!!

nin 06.02.2017

O BCE está tecnicamente limitado a deter 1/3 da dívida. E faz bem em guardar poder de fogo. Draghi está a ajudar e há idiotas que nem isso conseguem ver.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub