Bolsa BCP desce 23% desde a fusão de acções e renova mínimo abaixo de 1,04 euros

BCP desce 23% desde a fusão de acções e renova mínimo abaixo de 1,04 euros

O BCP fechou a sessão de hoje no valor mais baixo de sempre: 1,04 euros. A meio do dia, contudo, já tinha atingido uma cotação inferior: 1,0381 euros. Há dois dias que o banco tem vindo a recuar em bolsa.
BCP desce 23% desde a fusão de acções e renova mínimo abaixo de 1,04 euros
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 28 de dezembro de 2016 às 17:07

O Banco Comercial Português voltou a tocar em valores nunca antes registados esta quarta-feira. Foi o segundo dia seguido com uma desvalorização superior a 2%.

 

As acções do banco sob o comando de Nuno Amado (na foto) recuaram 2,37% para 1,04 euros numa sessão em que foram transaccionados mais de 4 milhões de títulos. Um volume em linha com o verificado ontem e acima da média diária do último semestre, que foi de 3 milhões.

 

A tendência das últimas duas sessões, que se segue a duas semanas com saldo negativo, atirou o BCP para um mínimo histórico. O valor mais baixo alguma vez tocado pelo banco a meio de uma sessão foi registado hoje - de 1,0381 euros - sendo que, no fecho do dia, a cotação de 1,04 euros também corresponde a um novo mínimo de fecho.

 

Estes valores estão ajustados da fusão de acções que teve efeitos a 24 de Outubro (quando diminuiu o número de acções representativas do capital do BCP com o proporcional aumento da cotação). Aliás, desde essa operação, que pretendeu retirar o banco da cotação de cêntimos e o atirou para cotações superiores a 1,30 euros, o BCP perde 23% do valor. 

 

Na Europa, o dia foi misto na banca, que tem sido penalizada pelas incertezas em torno do resgate do italiano Monte dei Paschi (com o Governo italiano a garantir que o plano em cima da mesa é suficiente). Em Portugal, apesar da queda do BCP, o resto do sector bancário manteve-se hoje inalterado. O Montepio ficou com as suas unidades de participação em 0,42 cêntimos, também um mínimo histórico. O BPI não saiu da cotação de 1,127 euros em que tinha encerrado o dia de ontem, ainda sem novidades na oferta pública de aquisição lançada pelo CaixaBank a 1,134 euros.

 

Na terça-feira foi revelado que os bancos vão enfrentar, no próximo ano, maiores encargos nas contribuições que fazem para o Fundo de Resolução e para o Fundo de Garantia de Depósitos. O Banco de Portugal também determinou que serão impostos limites na exposição que as instituições financeiras podem ter face ao chamado sistema bancário paralelo.

 

Na semana passada, o BCP já tinha sentido turbulência devido à notícia que dava conta da intenção do Governo polaco em aumentar o imposto sobre os empréstimos hipotecários concedidos em moeda estrangeira. O banco português detém 50,1% do polaco Bank Millennium, um dos mais afectados pela decisão que pretendia promover a conversão dos créditos concedidos em francos suíços para zlotys. 


Histórico da evolução do BCP, com cotações ajustadas das operações de mercado































(Notícia corrigida às 17:15: a fusão foi em Outubro, e não em Janeiro, como estava erradamente)






A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 28.12.2016

BCPatos.

Corticeira é a estrela do psi, e continuará em 2017.

comentários mais recentes
Criador de Touros 28.12.2016

Os fundos estão a despejar no fim do ano para comprar no início do ano.Continuação de Feliz Natal !!...

CHEF 28.12.2016

A procissão infelizmente ainda vai no adro. O BCP tem uma montanha de imparridades a registar que provavelmente ultrapassam os seus capitais próprios. Quer dizer que não só não vai permitir o reembolso dos cocos como vai ser novamente aumentado o capital social, com uma brutal diluição do valor .

Anónimo 28.12.2016

Nunca imaginei chegar a sofrer por ter trabalhado e poupado! Ao ponto de ter de ser medicado!

Jogadas 28.12.2016

Não é com o dinheiro dos chineses que vão pagar os cocos, isso já poderia ter sido feito há algum tempo (da mesma forma que o vão fazer em Fevereiro) só não o fizeram porque o estado não quis, sabe bem receber juros sobre tal quantia, empobrecendo e contribuindo para a desvalorização bolsista.

ver mais comentários
pub