Bolsa BCP desce quase 4% e dita segunda sessão de perdas para o PSI-20

BCP desce quase 4% e dita segunda sessão de perdas para o PSI-20

A bolsa nacional contrariou a tendência positiva das principais praças europeias, tendo fechado no vermelho pela segunda sessão consecutiva.
A carregar o vídeo ...
Rita Faria 03 de agosto de 2017 às 16:43

A bolsa nacional encerrou em queda esta quinta-feira, 3 de Agosto, pela segunda sessão consecutiva, com o PSI-20 a cair 0,56% para 5.179,31 pontos. Com dez cotadas em queda, oito em alta e uma inalterada, o índice português contrariou a tendência da maioria dos pares europeus, que seguem com sinal verde.

Além do PSI-20 só o alemão DAX destoa dos ganhos, que estão a ser impulsionados sobretudo pelas empresas do sector alimentar e construção, que mais do que compensam as perdas na energia.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,15% para 379,18 pontos.

Por cá, o BCP foi a cotada que mais penalizou o PSI-20 com uma descida de 3,9% para 22,92 cêntimos – o valor mais baixo desde 22 de Junho - depois de já ontem ter desvalorizado mais de 2%, a acompanhar o pessimismo no sector.

A contribuir para a tendência negativa estiveram também a Galp Energia, a Navigator e os CTT. A petrolífera recuou 0,32% para 13,835 euros, a Navigator cedeu 1,58% para 3,559 euros e os CTT desceram 0,58% para 5,288 euros, depois de terem anunciado, na segunda-feira, que os seus lucros caíram 44% no primeiro semestre para 17,7 milhões de euros. 

Pelo contrário, a evitar uma maior descida do índice nacional estiveram a EDP, a Jerónimo Martins e a Nos. A operadora liderada por Miguel Almeida ganhou 0,61% para 5,476 euros, a Jerónimo Martins somou 0,87% para 16,88 euros e a EDP valorizou 0,95% para 3,083 euros. A EDP Renováveis, por seu lado, ganhou uns ligeiros 0,01% para 6,766 euros, no dia em que terminou o prazo para vender acções da empresa na OPA.

Em alta fechou também a Corticeira Amorim, com um ganho de 0,26% para 11,60 euros, depois de os analistas do BPI terem cortado o preço-alvo para as acções de 13,90 para 13 euros, devido ao resultados do trimestre, à subida prevista dos preços da matéria-prima e à desvalorização do dólar face ao euro. 


(Notícia actualizada às 16:50)