Bolsa BCP dispara 6% com promessa de dividendos

BCP dispara 6% com promessa de dividendos

Depois de cinco sessões em queda e vários mínimos históricos, as acções do BCP estão a reagir em alta à promessa de regresso aos dividendos.
Nuno Carregueiro 13 de janeiro de 2017 às 09:27

As acções do BCP estão em forte recuperação, aliviando parte das perdas sofridas na sequência do anúncio do aumento de capital.

 

Os títulos disparam 6,23% para 87,32 cêntimos, uma cotação que compara com o mínimo histórico de 0,7903 euros fixado ontem e a cotação de 1,0412 euros registada antes do anúncio do aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros.

 

Trata-se do maior ganho desde 13 de Dezembro, depois de cinco sessões sempre a negociar em terreno negativo, sendo que tendo em conta apenas as três depois do anúncio do aumento de capital a capitalização bolsista sofreu uma queda de mais de 200 milhões de euros.

 

A recuperação das acções surge depois de ontem a CMVM ter aprovado o prospecto do aumento de capital, documento ondem o banco liderado por Nuno Amado admite o regresso ao pagamento de dividendos.

 

No documento, divulgado esta quinta-feira 12 de Janeiro, o BCP indica que a "emissão de direitos pretende acelerar o regresso à normalização da actividade do banco, incluindo o potencial regresso ao pagamento de dividendos, em vez da abordagem faseada seguida até à data".

 

A equipa de Nuno Amado avança com uma intenção: "objectivo para um ‘pay-out’ ratio de pelo menos 40% em 2018, sujeito a requisitos regulamentares". O rácio indica a disposição de distribuir um mínimo de 40% dos resultados obtidos em remuneração accionista. Os resultados são de 2018, pelo que o pagamento é no ano seguinte. 

 

No prospecto do aumento de capital são revelados vários riscos identificados pelo próprio banco, bem como as datas da operação. Na terça-feira, as acções do banco passam a negociar sem direitos associados à operação, já que estes começam a negociar em bolsa na quinta-feira seguinte, 19. Cada direito permite a compra de 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 

Tendo conta a cotação actual das acções do BCP, o valor teórico dos títulos pós aumento de capital é de 14,27 cêntimos. Já os direitos têm um valor teórico de 73,1 cêntimos.

 

Na calculadora em baixo pode calcular quanto tem de investir caso pretende participar na operação de aumento de capital.

 







A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


A ladroagem de esquerda


PS - PCP - BE - e seus votantes - ESTRAGAM A VIDA A 9 MILHÕES DE PORTUGUESES


Para dar mais dinheiro e privilégios a 1 milhão de ladrões FP & CGA.


comentários mais recentes
O BCP é um cancro maligno no PSI 20 Há 1 semana

O BCP só é bom para o Amado e sua trupe! Duvido q o Amado tenha alguma acção do banco q ele (des)gere! Em 1998 era o Jardim gatuno Gonçalves o administrador, fez sucessivos ac, também eu caí como um pato e perdi 350 contos hoje são 1750 € e só tinha 530 acões, vendias em 2006 a 2,32 €. Ainda choro

O Amado quer fornicar mais uma vez os accionistas Há 1 semana

Em vez de irem ao aumento de capital, se não têm amor ao dinheiro nem custa a ganhar, dai-o aos pobres pq é mais bem empregue do q nesta banqueta falida q já valeu perto de 10 mil milhões de € e agora passados tantos anos a fazer ac nem vale 1000 milhões Fujam desta banqueta comprem Altri, JM, Galp.

Luis Há 1 semana

O Banco não tem solução. Quanto mais se lhe mete, mais 'ele' derrete. Para mim é fim de linha. O sistema não aguenta um banco como o BCP. Se o Estado (entenda-se políticos amigos) meter mais dinheiro 'nosso' para pagar aos chefes, saiam da frente.

Anónimo Há 1 semana

Agora surge a noticia da distribuição de dividendos , para receber não é preciso comprar agora as ações, mas enfim parece mais aquelas cenas de graúdos atirar rebuçados as crianças...Lamentável que depois de um reagrupamento das ações para saírem das casas das centésimas em três meses irão voltar ao mesmo valor...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub