Bolsa BCP dispara 6% e impulsiona bolsa

BCP dispara 6% e impulsiona bolsa

A bolsa nacional segue em alta, a beneficiar da subida expressiva do BCP, depois de ter sido anunciado que a Fosun já é o maior accionista do banco.
Sara Antunes 21 de Novembro de 2016 às 08:05

O PSI-20 sobe 0,72% para 4.452,14 pontos, com 11 acções em alta, duas em queda e cinco inalteradas. Entre os congéneres europeus o arranque de sessão também está a ser positivo, com as bolsas a subirem menos de 0,5%.

Na praça lisboeta, o BCP é o grande destaque desta segunda-feira, depois das várias notícias que marcaram o fim-de-semana. Por um lado, a Fosun já entrou no capital do banco liderado por Nuno Amado, tendo investido 175 milhões de euros para ficar com 16,7% do capital. Os títulos da instituição financeira estão a disparar 6,0% para 1,324 euros. 


Este valor (1,1089 euros por acção) está 11,2% abaixo do valor de fecho das acções do BCP na sexta-feira e 26% abaixo do preço máximo que a Fosun tinha assumido vir a pagar (1,5 euros por acção) quando, a 29 de Julho, foi revelado o anúncio. 

 

Foi também revelado que a assembleia geral de accionistas convocada para esta segunda-feira para deliberar sobre o aumento do limite de votos para 30% foi, novamente, adiada para 19 de Dezembro. Este segundo adiamento, segundo apurou o Negócios, prende-se com a intenção de o banco conseguir obter o maior consenso possível na aprovação desta desblindagem. Uma procura de equilíbrio quando está em entrada um novo accionista. E, apesar da Fosun já ter recebido luz verde do BCE para elevar a sua posição, a Sonangol, que pediu autorização para deter mais de 20% do banco, ainda não recebeu resposta do banco central.

 
A destacar-se, nas variações, estão também os títulos da Pharol, que sobem 4,71% para 0,20 euros, ainda a recuperar parte das quedas acentuadas registadas nas últimas semanas devido à incerteza em torno do futuro da Oi, operadora na qual a Pharol detém 22%. 

A impulsionar a bolsa está também a Mota-Engil, ao subir 2,91% para 1,73 euros, assim como os CTT, que avançam 0,94% para 5,812 euros. 

No sector da energia, a EDP ganha 0,33% para 2,699 euors, enquanto a EDP Renováceis perde 0,10% para 6,032 euros, contrariando assim a tendência de ganhos que impera na praça lisboeta.

A outra cotada que contraria a tendência de ganhos é a Altri, ao perder 0,15% para 3,30 euros.

(Notícia actualizada às 8:08 com mas informação)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O cancro dos ctt não pára de afundar. A pior ação da bolsa. O Champalimaud deve estar orgulhoso em ter trocado a Ren por esta aberração.

pub