Bolsa BCP e energia levam PSI-20 a subir pela primeira vez em cinco sessões

BCP e energia levam PSI-20 a subir pela primeira vez em cinco sessões

O PSI-20 acompanhou a tendência positiva das principais praças europeias, numa altura em que a vitória de Trump continua a condicionar as acções. Por cá, o BCP e a Galp Energia foram as cotadas que mais animaram a bolsa.
Rita Faria 15 de Novembro de 2016 às 16:45

A bolsa nacional encerrou em alta esta terça-feira, 15 de Novembro, depois de quatro sessões consecutivas de perdas, com o PSI-20 a ganhar 0,76% para 4.404,16 pontos. Sete empresas encerraram em alta, nove em queda e duas inalteradas.

 

Lisboa acompanhou o sentimento positivo da maioria dos índices europeus, numa altura em que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos continua a condicionar a negociação das acções europeias.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, sobe 0,28% para 339,17 pontos, animado sobretudo pelas empresas dos sectores da energia, imobiliário e retalho.

 

As excepções na Europa são a bolsa de Atenas e a de Milão, que perderam 0,5% e 0,07%, respectivamente.  

 

Na bolsa nacional, o BCP e as cotadas do sector da energia foram as que mais animaram o PSI-20. O banco liderado por Nuno Amado somou 1,23% para 1,2654 euros, aumentando para 10% o ganho acumulado nas últimas quatro sessões.

 

Na energia, a Galp disparou 4,61% para 12,03 euros, acompanhando a forte subida dos preços do petróleo nos mercados internacionais. Depois de três sessões consecutivas de perdas, os preços da matéria-prima estão a subir cerca de 4%, animados pelos esforços diplomáticos da Venezuela, Qatar e Argélia para finalizar o acordo da OPEP com vista à redução da oferta. 

Ainda neste sector, a EDP ganhou 1,82% para 2,685 euros e a EDP Renováveis subiu 0,10% para 5,91 euros.

A contribuir para a subida do PSI-20 esteve ainda a Jerónimo Martins, que somou 1,68% para 14,795 euros, numa sessão em que a sua rival do retalho, a Sonae, encerrou inalterada em 76,9 cêntimos. 

Do lado das descidas, destacaram-se a Nos e a Pharol. A operadora liderada por Miguel Almeida desceu 1,83% para 5,57 euros, enquanto a Pharol afundou 11,48% para 18,5 cêntimos, penalizada pela incerteza em torno do futuro da Oi. 

(Notícia actualizada às 16:52)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JOM Há 3 semanas

Boa noite. Tal como já referi noutras notícias deste jornal, preparem se para uma subida do BCP de 50% até o final deste ano. Esta semana sobe 15%. Para a semana sobe 20%. Nas outras 5 semanas sobe o restante. Vão sair notícias que vão fazer disparar a cotação do BCP.

Mariana Vivas Há 3 semanas

Então após o anúncio de um supercrescimento fantástico de 1.6%, os mercados reagem assim de forma tão calma? Pensava que Portugal era o novo oásis do investimento, sinceramente. Não é em qualquer país que tudo se resolve por decreto! ;)

Anónimo Há 3 semanas

Pequenos investidores não vendam as v/acções porque o banco está e estará por mais uns tempos subsubvalorizado. Não deixem que os abutres nos comam mais dinheiro. Tenham paciência que tudo se há-de resolver, há-de chegar a n/ vez.

pub