Bolsa BCP e universo EDP impedem maior ciclo de ganhos em quatro meses

BCP e universo EDP impedem maior ciclo de ganhos em quatro meses

Apesar dos ganhos da Galp, beneficiada pela valorização dos preços do petróleo nos mercados internacionais, os recuos da banca e da EDP afastaram o PSI-20 daquela que teria sido a maior série de ganhos em quatro meses.
BCP e universo EDP impedem maior ciclo de ganhos em quatro meses
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 12 de Dezembro de 2016 às 16:41

O principal índice nacional de acções encerrou em terreno negativo a sessão desta segunda-feira, 12 de Dezembro, pondo fim a cinco sessões consecutivas de valorizações, com as quedas dos títulos do BCP, da EDP Renováveis e da Jerónimo Martins a condicionarem as negociações.

O PSI-20 encerrou o dia a cair 0,03% para 4.636,79 pontos, com nove títulos em queda e nove em alta. A queda ligeira afastou Lisboa de completar uma série de seis sessões consecutivas de ganhos que, a ter-se materializado, seria a mais longa desde 22 de Agosto, ou seja, dos últimos quatro meses.

Os recuos das eléctricas, do sector financeiro e de parte do retalho sobrepuseram-se ao efeito gerado pelos ganhos da Galp. A energética encerrou em máximos de cinco anos com um ganho de 1,3% para 14,045 euros, beneficiada pelo disparo dos preços do petróleo nos mercados internacionais. Uma apreciação modesta, se comparada com os ganhos de 7,14% que chegou a experimentar ao longo do dia.

Os ganhos entre as petrolíferas europeias foram aliás generalizados, depois de no fim-de-semana o ministro do Petróleo saudita ter admitido a possibilidade de cortes mais ambiciosos na produção desta matéria-prima e de também 11 dos países extra-OPEP se terem entendido para uma redução na extracção.

O preço do barril Brent em Londres avança 3,15% para 56,04 dólares, em máximos de quase um ano e meio, enquanto em Nova Iorque o West Texas Intermediate soma 3,17% para 53,12 dólares.

Do lado das quedas, as maiores pressões chegaram do BCP, a cair 1,41% para 1,29 euros, da EDP Renováveis (cedeu 1,37% para 5,853 euros, depois de um corte de recomendação para "neutral" pelos analistas do Citi, citados pela Bloomberg) e da Jerónimo Martins, a perder 0,36% para 15,23 euros.

Os papéis do retalho apresentaram aliás comportamentos distintos, com a concorrente Sonae a estar entre os títulos com maior contributo positivo (um ganho de 0,72% para 0,836 euros), juntando-se aos CTT que avançaram 0,52% para 5,988 euros.

O BPI recuou 0,18% para 1,13 euros, no dia em que a Lusa noticiou que a injecção de divisas na banca angolana vai permitir a este país pagar 12,5 milhões de euros ao BPI, valor destinado à "cobertura do reembolso do financiamento."

Os títulos da Navigator fecharam com sinal menos (-0,61% para 3,11 euros) depois de a casa de investimento IM ter baixado a avaliação da papeleira e reiterado a recomendação de compra

Lisboa foi acompanhada nas quedas pela maioria dos índices de acções europeus, onde a força das energéticas não foi suficiente para compensar o recuo dos títulos dos sectores imobiliário e do turismo e viagens, penalizados neste caso pelo encarecimento dos preços dos combustíveis implícito no disparo do petróleo.

A praça mais penalizada foi a de Londres, que caía 1,05%, seguindo-se os índices de Frankfurt e Paris. O Stoxx 600 - o mais representativo índice europeu - recuava 0,52% para 353,52 pontos.

(Notícia actualizada às 16:55 com mais informação)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ABCDEF1 Há 1 semana

A porcaria dos motas e engiles nem comentários merecem ó sr. Zacarias? São tão ordinárias que nem merecem vir á baila. Só tenho pena é de estar entalado até aos ....não digo.

Anónimo Há 1 semana

Aproveitem a livrar-se agora das acções desta banqueta, antes que seja tarde demais.

pub