Bolsa BCP, Galp e Jerónimo ditam queda da bolsa

BCP, Galp e Jerónimo ditam queda da bolsa

A bolsa nacional já inverteu da tendência de ganhos registada na abertura, numa altura em que a Galp, a Jerónimo Martins e o BCP aliviam dos ganhos observados nas últimas sessões.
BCP, Galp e Jerónimo ditam queda da bolsa
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 09 de dezembro de 2016 às 09:23

O PSI-20 recua 0,34% para 4.611,32 pontos, com 10 cotadas em queda e oito em alta. Esta é assim a primeira queda em cinco sessões, período em que ainda assim acumula um ganho de quase 5%, o que corresponde à maior subida semanal desde Março.

 

Entre os congéneres europeus a tendência não é definida, depois de um arranque igualmente positivo. O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, ainda sobe 0,17%, mas os índices de Espanha, Grécia e Itália já seguem em queda, à semelhança do que acontece na praça lisboeta.

 

Este comportamento das bolsas surge depois de ontem o dia o Banco Central Europeu (BCE) ter decido alargar o período do programa de compra de activos até, pelo menos Dezembro, quando estava previsto terminar em Março. Mas além de anunciar esta extensão, o BCE anunciou também que, a partir de Abril, vai reduzir o ritmo de compras em 20 mil milhões de euros para um total de 60 mil milhões por mês. Esta redução foi encarada como um início de retirada de estímulos, o que levou, por exemplo, à subida dos juros soberanos, com países como Portugal a serem dos mais penalizados. 

O Commerzbank conclui que estas alterações representam "más notícias" para Portugal. Sobretudo porque o BCE não mexeu nos parâmetros de elegibilidade que tem que cumprir na compra de títulos de dívida, isto numa altura em que já está perto de atingir os limites para a compra de obrigações portuguesas.

E as taxas de juro de Portugal, que ontem dispararam quase 25 pontos base, voltam a subir, ainda que com ganhos mais ligeiros. A taxa de juro implícita na dívida a 10 anos de Portugal está a subir 1,3 pontos para 3,759%.

 

BCP desliza mais de 4%

O BCP, que nas últimas três sessões subiu 20%, está agora a aliviar parte dos ganhos, recuando 4,42% para 1,2903 euros, numa altura em que se aguarda que seja anunciado um resgate público ao italiano Monte dei Paschi.

 

No resto da banca a tendência é de ganhos, com o BPI a subir 0,18% para 1,13 euros e as unidades de participação do Montepio a ganharem 1,17% para 0,434 euros.

 

A aliviar das subidas recentes está também a Galp, que nos últimos dias atingiu máximos de 2011. A petrolífera está a recuar 0,43% para 13,835 euros, numa altura em que o petróleo está a subir quase 1% para 54,33 dólares, em Londres.

 

No resto do sector da energia, a EDP sobe 0,32% para 2,819 euros, a EDP Renováveis cai 0,27% para 5,902 euros e a REN aprecia 0,19% para 2,594 euros.

 

Destaque também para a Jerónimo Martins, que ontem subiu 2%, seguindo a recuar 0,36% para 15,08 euros.

 

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub