Bolsa BCP, Nos e energia isolam Lisboa das perdas na Europa

BCP, Nos e energia isolam Lisboa das perdas na Europa

A praça portuguesa fechou a primeira sessão de ganhos das últimas três, impulsionada pelos ganhos do BCP - que recuperou dos mínimos históricos -, da Nos e dos títulos das energéticas.
Paulo Zacarias Gomes 29 de Dezembro de 2016 às 16:47
O principal índice accionista nacional encerrou esta quinta-feira, 29 de Dezembro, quase isolada nos ganhos entre as principais praças europeias. O PSI-20 terminou o dia a ganhar 0,35% para os 4.668,35 pontos, com 16 títulos em terreno positivo e dois em queda.

Entre as valorizações que mais sustentaram as negociações em Lisboa esteve o BCP, que interrompeu duas sessões consecutivas de perdas e apreciou 0,96% para 1,05 euros, depois de ter chegado a registar um mínimo intradiário histórico de 1,02 euros na sessão de hoje.

Também do lado dos ganhos estiveram os títulos da energia, num dia em que o preço do petróleo transacciona sem sinal definido em Londres e Nova Iorque a poucos dias da entrada em vigor dos cortes de produção acordados pelo cartel da OPEP.

No universo EDP, a Renováveis foi a que mais ganhou (0,96% para 5,944 euros), enquanto a eléctrica liderada por António Mexia apreciou 0,24% para 2,925 euros. Já a Galp somou 0,11% para 14,205 euros.

As apreciações foram generalizadas no sector financeiro, nos últimos dias marcado por notícias do aumento das contribuições para o fundo de garantia de depósitos e fundo de resolução. O BPI, ainda à espera do registo da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank, terminou o dia a valer mais 0,09% para 1,128 euros, ao passo que as unidades de participação do Montepio ganharam 0,24% para 2,925 euros.

As únicas perdas couberam à Pharol (que ficou nos 0,21 euros a cair 0,94%) e aos CTT (que cedeu 0,28% para 6,44 euros), numa sessão que voltou a ser marcada pela baixa liquidez normalmente associada ao final do ano.

No resto da Europa, além de Lisboa apenas Atenas registou performance positiva - mais 0,42% para 1717,5 pontos - depois de ontem a Grécia ter renovado o seu compromisso com a consolidação orçamental e excluído novas medidas unilaterais. Frankfurt e Madrid protagonizaram as maiores quedas, na ordem dos 0,3% e o Stoxx 600, índice europeu de referência, caiu 0,47% para 359,84 pontos. 

(Notícia actualizada às 17:11 com mais informação)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Sei que é complicado afirma-lo, mas o Sr. Amado enquanto gestor é uma nulidade, bastaria momentos antes do reverse split anunciar uma restruturação do Banco, que com certeza, em função dos resultados obtidos nos últimos anos, não necessitaria, por exemplo de tantos balcões!? Mas isto sou eu a falar...

pub