Bolsa BCP regressa às quedas em dia de alteração nos limites de voto

BCP regressa às quedas em dia de alteração nos limites de voto

As acções do BCP estão a acompanhar a tendência negativa do sector na Europa, num dia marcado pela nacionalização do maior banco da Ucrânia.
BCP regressa às quedas em dia de alteração nos limites de voto
Miguel Baltazar

As acções do Banco Comercial Português negoceiam em terreno negativo, corrigindo de dois dias em alta. Um desempenho que eleva para 69% a queda acumulada este ano e que mantém a capitalização bolsista do banco liderado por Nuno Amado abaixo dos 900 milhões de euros.

 

Os títulos recuam 1,26% para 1,135 euros, sendo que já durante a sessão chegaram a descer 2,39% para 1,122 euros. Um desempenho em linha com o sector europeu, já que o Stoxx Banks desce 0,89%.

 

A marcar o dia na banca europeia está a nacionalização do maior banco ucraniano e o arranque do aumento de capital do Monte dei Paschi.  

 

Passadeira vermelha à Fosun

 

No caso do BCP, o dia ficará marcado pela esperada aprovação da última condição para o reforço da posição da Fosun como maior accionista da instituição.

 

Os accionistas do BCP devem aprovar esta segunda-feira a proposta de alteração do limite de votos dos actuais 20% para 30%, cumprindo a última exigência feita pela Fosun para investir até 500 milhões no banco liderado por Nuno Amado. Se a proposta dos maiores accionistas for aprovada, o conglomerado chinês poderá percorrer a passadeira vermelha o que reforçará a sua posição como maior accionista da instituição, podendo elevar a sua participação até 30%.

 

A decisão dos accionistas será tomada na sessão destinada a concluir a assembleia-geral iniciada a 9 de Novembro, que acabou adiada para dia 21 desse mês e cujo encontro final tem lugar às 11:00 desta segunda-feira, 19 de Dezembro.

 

Ao que o Negócios apurou, já foi possível reunir o consenso accionista necessário para viabilizar a proposta de alteração de estatutos. Na sessão da AG realizada a 21 de Novembro, esta proposta acabou por não ser votada, uma vez que a Sonangol, então maior accionista do BCP, ainda não dispunha de autorização do Banco Central Europeu (BCE) para poder superar a fasquia dos 20% no banco.

 

As acções do BCP continuam a negociar abaixo do preço a que a Fosun pagou no recente aumento de capital do banco (1,1098 euros), bem como do preço que o Sabadell vendeu os títulos (1,15 euros).

Acções do BCP recuam 69% desde o início do ano:
 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.12.2016

Entretanto o Santander, que pagou 120 Milhoes pelo banif, Espera poder receber este ano 250 Milhoes do estado de benificios Fiscais! Upa Upa! Grande negócio do Costa! E se se juntar os Swaps... Os espanhóis nao dormem! hehe

Anónimo 19.12.2016

os 190 000 pequenos acionistas deviam-se juntar à frente do bcp e correr com o eskroe n.amado que lhes arruinou a vida e pendurá-lo se necessário fosse, um cão daqueles nem direito a ver a luz do sol devia ter...pior derreteu mais de 5000 milhões aos acionistas e agora deu 17% de borla ao chinoca.

pub
pub
pub
pub