Bolsa Belmiro de Azevedo: CMVM recorda empresário que "acreditou na bolsa"

Belmiro de Azevedo: CMVM recorda empresário que "acreditou na bolsa"

Gabriela Figueiredo, líder da CMVM, recorda o "Senhor Sonae", "que em 1987 acreditou na bolsa (...) relançando um mercado, nessa altura quase incipiente." A responsável diz que "hoje o mercado de capitais ficou mais pobre."
Belmiro de Azevedo: CMVM recorda empresário que "acreditou na bolsa"
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 29 de novembro de 2017 às 18:58
A presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) lamentou esta quarta-feira a morte do líder histórico do grupo Sonae, recordando a sua aposta no mercado de capitais e a "visão e estratégia" que levaram Belmiro de Azevedo a cotar sete das suas empresas, há 30 anos.

"Hoje o país perdeu um dos seus grandes impulsionadores, Belmiro de Azevedo - o "Senhor Sonae", empresário que em 1987  acreditou na bolsa, realizando aí 7 ofertas públicas de venda simultâneas, relançando um mercado, nessa altura quase incipiente. Teve visão e estratégia," considerou Gabriela Figueiredo, em declarações enviadas à comunicação social.

A líder da CMVM reconhece ainda que, mesmo depois da crise das tecnológicas, o empresário confiou nos mercados de capitais, com a colocação da Sonaecom em bolsa.

"A CMVM reconhece o contributo relevante do Eng.º Belmiro de Azevedo para a dinamização da economia o respeito pelo mercado, pelos investidores e pelos seus trabalhadores. Sentiremos a sua falta. Hoje o mercado de capitais ficou mais pobre," conclui a mensagem.

O líder histórico da Sonae morreu esta quarta-feira aos 79 anos, no hospital da CUF, no Porto, onde estava internado desde segunda-feira passada.



pub