Mercados BES convoca AG para aprovar emissão de 550 milhões com garantia do Estado

BES convoca AG para aprovar emissão de 550 milhões com garantia do Estado

Accionistas do BES vão reunir a 28 de Agosto para aprovar a operação de financiamento.
Nuno Carregueiro 27 de julho de 2012 às 17:11
O Banco Espírito Santo convocou hoje uma assembleia geral, para 28 de Agosto, com três pontos na ordem de trabalhos, sendo que um deles diz respeito à emissão de 550 milhões de euros de obrigações com garantia do Estado. A emissão terá um prazo de três anos.

O BES já realizou este ano uma emissão de dívida garantida. Em Fevereiro emitiu 1,5 mil milhões de euros, sendo que nos meses anteriores tinha realizado operações semelhantes.

Estas emissões têm que ter a autorização dos accionistas, pois prevêem que a dívida possa ser convertida em capital em caso de incumprimento, exigindo por isso “suprimir o direito de preferência dos accionistas no eventual aumento de capital”.

Com os mercados fechados para os bancos portugueses, estes têm recorrido a emissões garantidas pelo Estado. Estes títulos emitidos são depois utilizados para os bancos obterem financiamento junto do BCE.

“Na actual conjuntura, a referida emissão de obrigações permitirá ao BES reforçar o cumprimento das suas obrigações no âmbito das suas operações de financiamento colateralizadas ou de prestação de garantias que se revelem necessárias à prossecução da sua actividade de concessão de crédito”, refere o Conselho de Administração do BES em comunicado.

Os accionistas vão ainda deliberar sobre a manutenção da relação de grupo entre o banco e a BES Vida – Companhia de Seguros, bem como a ratificação da designação por cooptação de Milton Almicar Silva Vargas para administrador, em representação do Bradesco.



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ESPANTADO 29.07.2012

ESTES BANQUEIROS QUE FAZEM CONCORRENCIAS AOS SEUS PRÓPRIOS CLIENTES ESTÃO CONSTANTEMENTE PENDURADOS NO ESTADO

contribuinte 29.07.2012

Obviamnte na GRECIA 2 ou seja em Portugal e an sua divida o Sr. Salgado se bem se lembram era o grande defensor do Sr. Socrates quendo este dizia que n\ao precisavamois de ajuda e a emissao de divida tinha corrido bem , pois para os mais atentos e gostam de ler pequenos anuncios eles ja diziam que o Sr. Socrates estava a fazer flores com os banqueiros portugueses BES e BCP * do amigo e socio Vara( agora tem ai a factura .

fredfg 29.07.2012

Entao nao precisavamos e agora ja precisamos ...como é Sr. Salgado explique esta Salganhada sff.

Anónimo 28.07.2012

ESTE GANHA O PRÉMIO DO MAIOR ALDRABÃO E TRAIDOR NACIONAL. MAS ALGUÉM EM NOME DOS CONTRIBUINTES TÊM LEGITIMIDADE PARA DAR GARANTIA DO ESTADO, OU SEJA, DE TODOS OS PORTUGUESES, A ESTES MAFIOSOS? A MINHA NÃO TÊM. ENTÃO E A TODAS AS OUTRAS EMPRESAS, DESIGNADAMENTE PEQUENAS E MÉDIAS? AÍ JÁ NÃO HÁ GARANTIAS DO ESTADO? PORQUÊ A ESTES? SÃO MAIS QUE OS OUTROS? NÃO TÊM CONDIÇÕES, ABRAM FALÊNCIA. SE BEM QUE A GARANTIA DO ESTADO PORTUGUÊS É A MESMA COISA QUE 0.

ver mais comentários
pub