Câmbios Bitcoin em máximos de três anos supera 1.000 dólares

Bitcoin em máximos de três anos supera 1.000 dólares

Depois de mais do que ter duplicado de valor em 2016, a criptomoeda continua a apreciar. A guerra mundial ao dinheiro e os controlos de capital tornam a bitcoin numa alternativa viável, dizem analistas.
Bitcoin em máximos de três anos supera 1.000 dólares
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 02 de janeiro de 2017 às 16:16

A cotação da moeda virtual bitcoin ultrapassou, pela primeira vez em três anos, os 1.000 dólares. A barreira foi superada na noite deste domingo, 1 de Janeiro, quando a criptomoeda disparou 2,5% para 1.022 dólares.


Segundo a Reuters, este é o valor mais elevado desde Dezembro de 2013 para a divisa, depois de mais do que ter duplicado de valor durante o ano passado, apreciando 125% (em 2 de Janeiro de 2016, a moeda valia 433,55 dólares).


A moeda mantém-se esta segunda-feira acima dos 1.000 dólares, cotando em 1.024,38 dólares por cada unidade, na bolsa Bitstamp. O máximo histórico foi atingido no final de 2013, quando cotou nos 1.163 dólares.


"A guerra mundial ao dinheiro e os controlos de capital estão a tornar a bitcoin numa alternativa viável, mesmo que arriscada," afirmou o administrador da associação britânica de moeda digital, Paul Gordon, àquela agência noticiosa.


A contribuir para atrair a atenção dos investidores está ainda a combinação entre a possibilidade de um aumento mais rápido dos juros nos Estados Unidos e a condição conquista pela criptomoeda como um refúgio alternativo perante a incerteza geopolítica.


Além disso, a perda de valor de algumas moedas tradicionais, bem como a eliminação de designações mais elevadas devido à sua associação a criminalidade económica – como acontece na Índia, com a recolha de notas de 500 e mil rupias – e o estabelecimento de controlos de capitais tem também contribuído para estes ganhos.


Em Julho entram em vigor novas regras para a transferência de fundos a partir da China para o estrangeiro, que obrigam os bancos a notificar as autoridades da saída de mais de 10 mil dólares do país (cerca de 9.500 euros à cotação actual, quando antes o valor era de 27.500 euros) e as transacções em dinheiro superiores a 50 mil yuan (em torno de 6.800 euros à cotação actual). Medidas que a agência noticiosa estatal nega que constituam controlo de capitais e que o governo justifica com o combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo.


A bitcoin, que tem vivido períodos de volatilidade ao longo da sua existência, vem conhecendo alguma maior estabilidade nos últimos dois anos, ainda que em algumas sessões tenha chegado a disparar 10% - movimentos não comparáveis com o comportamento da generalidade das moedas físicas.


A moeda é especialmente utilizada na realização de transacções rápidas e anónimas entre distintos pontos do globo, já que é feita por via electrónica e sem a supervisão de qualquer entidade reguladora central.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nin 02.01.2017

Só que não dá, não é? Não se pode contar com uma moeda que tanto vale 100 como 1000, nem para comprar batatas. Para mais, se houvesse uma moeda global realista, seria menos volátil do que a média das componentes. Bitcoin é o offshore da era digital.

Vait 02.01.2017

Qualquer acordam todos limpos

pub
pub
pub
pub