Câmbios Bitcoin, o refúgio virtual que duplica de valor em 2016

Bitcoin, o refúgio virtual que duplica de valor em 2016

A "bitcoin" duplica de valor este ano, com alguns investidores a apostarem na criptomoeda para se protegerem dos riscos geopolíticos e da subida dos juros nos EUA.
Bitcoin, o refúgio virtual que duplica de valor em 2016
Reuters
Rui Barroso 23 de dezembro de 2016 às 16:08
Nem dólar, nem ouro, nem acções. O grande ganhador de 2016 é a "bitcoin". O valor da criptomoeda mais que duplica desde o início do ano, negociando em 890 dólares, beneficiando tanto da expectativa de subida dos juros nos EUA como da instabilidade que em circunstâncias normais faria brilhar o ouro. No entanto, o metal amarelo não tem reagido aos sinais de incerteza geopolítica já que tende a ser penalizado quando existem expectativas de subida das taxas de juro e de inflação.

E isso levou alguns investidores a trocarem a tradicional e histórica segurança do ouro pela criptomoeda. Segundo analistas citados pela Bloomberg, a "bitcoin" está a ganhar popularidade junto de alguns investidores como um activo-refúgio alternativo, já que é vista como menos influenciada pelas políticas governamentais e pelas decisões dos bancos centrais. Só na última semana, a "bitcoin" valorizou 15% com os investidores a procurarem uma alternativas após os ataques terroristas na Europa. E desde que a Reserva Federal dos EUA subiu os juros, a meio deste mês, que os analistas notam uma maior aposta de investidores de países emergentes na criptomoeda, uma forma de se protegerem caso as subidas de juro nos EUA levem a saídas de capital dessas economias.



A "bitcoin" é uma moeda virtual que pode ser criada em computadores e transaccionada em bolsas online especializadas. Apesar da subida deste ano, o valor da "bitcoin" ainda está longe do máximo histórico de 1.137 dólares, atingido no início de 2014. Apesar dos ganhos deste ano, a "bitcoin" tende a ter um comportamento volátil, como a queda de 57% que sofreu em 2014 após a falência de uma das maiores bolsas desta moeda virtual e de um controlo mais apertado das autoridades chinesas.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
soros-bq 23.12.2016

A isto sim se chama uma bela duma bolha... enquanto houver confiança os que vão entrando vão pagando o lucro dos que saiem... e no fim, como em qualquer piramide, o ultimo a sair que feche a porta... :D

Resposta de chaveirosegredoa soros-bq Há 4 semanas

Seu radar de bolha se mostrou "bem fundamentado" quando comparou bolha com piramide. São coisas completamente diferente. Que a Venezuela o diga, como é má essa bolha bitcoin. Oo

A valorização independe de novos usuários. Não tem motivos para você entrar em bitcoin já pensando na saída, bolhas passadas no bitcoin já foram estourada, e nem por isso se perdeu o interesse em bitcoin, logo é mais do que uma bolha, além de reserva de valor, cada dia mais agrega mais valor.

E como estamos presenciando algo inédito, acho que é muito, muito, muito cedo (no momento é tarde mesmo porque acabou de recuperar de uma bolha) p falar que o bitcoin está em bolha. Se não acredita no valor da currency virtual , é questão de tempo p ficar fascinado pela segurança e praticidade que oferece.

E mais um pouco sobre bolhas e quedas. quase todo dia o bitcoin "morre" e cai, se isso não é uma prova de confiança e valor o bitcoin "morto" está vivo depois de ter morte morrida dezenas ou centenas de vezes,

pub
pub
pub
pub