Mercados Bloomberg: Especuladores de Wall Street atiram-se aos centros comerciais

Bloomberg: Especuladores de Wall Street atiram-se aos centros comerciais

Segundo a agência noticiosa, os hedge funds estão a posicionar-se para lucrar com a próxima crise de crédito nos Estados Unidos, relacionada com o colapso dos operadores dos centros comerciais.
Bloomberg: Especuladores de Wall Street atiram-se aos centros comerciais
Negócios com Bloomberg 13 de março de 2017 às 15:24

Os especuladores de Wall Street estão a antecipar a próxima crise de crédito nos Estados Unidos, desta vez relacionada com os centros comerciais, escreve a Bloomberg num artigo publicado esta segunda-feira, 13 de Março.

 

O contexto? Um país onde os consumidores compram cada vez mais "online" e em que muitos centros comerciais lutam há anos para sobreviver. Agora, adianta a agência noticiosa, muitos estão a chamar a atenção de hedge funds que procuram tirar vantagem de um colapso iminente.

 

Tal como aconteceu antes da crise imobiliária, um grupo pequeno mas crescente de empresas está a posicionar-se para lucrar com um colapso que poderá conduzir a uma onde de insolvências. O alvo? Activos associados a empréstimos a operadores de centros comerciais.

 

Segundo a Bloomberg, nas últimas semanas, empresas como a Alder Hill Management aumentaram as apostas contra os títulos, que tiveram um desempenho muito superior aos das acções dos retalhistas.

 

As posições curtas em duas das fatias mais arriscadas dos chamados CMBS (Commercial mortgage-backed security), ou garantias hipotecárias comerciais, subiram para 5,3 mil milhões de dólares no mês passado, um aumento de 50% face ao ano anterior.

 

De acordo com os dados da Depository Trust & Clearing Corp, foram comprados este ano 985 milhões de dólares de contratos que visam os dois tipos mais arriscados de CMBS, cinco vezes mais do que nos três meses anteriores.

 

"Estes centros comerciais estão a morrer, e vemos perspectivas limitadas para uma reviravolta no seu desempenho", sustentou a Alder Hill num relatório de Janeiro citado pela agência noticiosa. "Antecipamos que 2017 seja um ponto crucial".

 

E há motivos para o pessimismo, diz a Bloomberg. Depois de as retalhistas terem vivido uma das piores épocas de Natal dos últimos anos, a J. C. Penney anunciou, em Fevereiro, que vai fechar até 140 lojas. A Macy’s já havia anunciado que pretende encerrar 100 lojas e a Sears cerca de 150. 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.03.2017

Para se fazer Short tem de se pedir acções emprestadas, pois não existe em portugal naked selling,
Por isso de uma vez por todas coloquem as vossas acções a venda por 5 euros cada , tal como eu, assim com as minhas não brincão.

Anónimo 13.03.2017

o bcp ja esta a ser shortado novamente.

ABUTRES DO DESCOBERTO 13.03.2017

olha para onde vieram os abutres que andaram a ASSOMBRAR o bcp durante anos que vão para o DIABO que os carregue que vão para o INFERNO

pub