Obrigações BCE deverá reduzir gradualmente as compras antes do fim do programa

BCE deverá reduzir gradualmente as compras antes do fim do programa

O BCE deverá adoptar uma abordagem semelhante à da Fed, retirando os estímulos de forma gradual para não criar instabilidade no mercado, avança a Bloomberg. O programa dura até Março de 2017, mas poderá ser estendido se necessário.
BCE deverá reduzir gradualmente as compras antes do fim do programa
Reuters
Negócios com Bloomberg 04 de Outubro de 2016 às 17:57

Apesar do programa alargado de compra de activos ainda estar em curso, o BCE está a estudar a forma como poderá retirar os estímulos causando os mínimos de danos possíveis no mercado. Segundo uma informação divulgada pela Bloomberg, o plano de Frankfurt passará por reduzir em dez mil milhões de euros o ritmo das compras mensais até à data para retirar totalmente esses estímulos.

Frankfurt tem como meta actual comprar uma média de 80 mil milhões de euros de activos por mês até, pelo menos Março de 2017. No entanto, apesar desse prazo, Mario Draghi tem reiterado, como na última reunião de política monetária, por exemplo, que o programa durará até àquela data "ou até mais tarde, se necessário, e, em qualquer caso, até que o Conselho do BCE considere que se verifica um ajustamento sustentado da trajectória de inflação, compatível com o seu objectivo".

No início de Setembro, o consenso do mercado apontava que o BCE tivesse de estender o prazo do programa e/ou intensificar o ritmo de compras, de forma a conseguir atingir o objectivo de espicaçar a inflação para perto mas abaixo de 2%.

A Bloomberg contactou o BCE sobre o plano para reduzir em dez mil milhões de euros por mês as compras, com fonte oficial de Frankfurt a referir que "o Conselho de Governadores não discutiu esses assuntos, como o presidente Mario Draghi disse na última conferência de imprensa e na sua recente audição no Parlamento Europeu".

Caso a estratégia de saída do programa seja de reduzir o ritmo de compras em dez mil milhões de euros por mês, a abordagem será semelhante à da Reserva Federal dos EUA. A autoridade monetária da maior economia do mundo começou a reduzir o ritmo da compra de activos em dez mil milhões de dólares por mês em Dezembro de 2013, terminando totalmente o programa de compras em Outubro de 2014. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 04.10.2016

Quando esse tempo chegar,este jornal vai ficar todos os dias emborratado com a casalinho;ora compra,ora vende,ora faz uma pausa,ora,ora,ora,ora.

pub
pub
pub
pub