Bolsa Bolsa acentua quedas e desce mais de 1%

Bolsa acentua quedas e desce mais de 1%

A bolsa nacional já acentuou a tendência de queda, à semelhança das congéneres europeias, seguindo com uma descida superior a 1%.
Bolsa acentua quedas e desce mais de 1%
Reuters
Sara Antunes 08 de fevereiro de 2018 às 12:23

O PSI-20 desce 1,03% para 5.384,97 pontos, com 15 cotadas em queda, duas em alta e uma inalterada. Entre os congéneres europeus a tendência é idêntica, com os índices a descerem, na maior parte dos casos, mais de 1%. O Stooxx 600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, está a descer 0,83%. Entre os principais índices a descida mais acentuada é do italiano MITBEl (1,39%) e a mais moderada é do grego (0,21%).

 

Os últimos dias têm sido marcados por uma grande volatilidade, com as bolsas a registarem variações acentuadas. Ainda ontem as bolsas subiram cerca de 2%, naquela que foi a melhor sessão dos últimos 10 meses, depois de sete dias consecutivos de perdas. Hoje o dia volta a ser marcado pelo vermelho, sem que haja notícias que justifiquem o comportamento.

 

Na bolsa nacional, as descidas são generalizadas, sendo que apenas a Jerónimo Martins e a Novabase contrariam a tendência com subidas de 0,93% e 0,69%, respectivamente.

 

Do lado das quedas, o BCP está a descer 2,43% para 0,2976 euros e a Pharol regressou a terreno negativo, perdendo 3,63% para 0,2255 euros, depois de dois dias de fortes subidas, que anularam por sua vez as quedas que a cotada liderada por Palha da Silva acumulava.

 

O braço-de-ferro entre a Pharol e Oi continua a marcar os dias. Depois de alguns accionistas, entre eles a Pharol, terem deliberado em assembleia geral extraordinária a mudança de presidência da Oi, a empresa brasileira vem agora dizer que não é uma reunião válida.

 

Em queda seguem também as acções da Galp Energia, ao perder 1,67% para 14,76 euros, num dia em que os preços do petróleo também caem e negoceiam em mínimos de Dezembro, a reflectir os dados que apontam para que a produção de crude dos campos americanos tenha atingido um novo recorde. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a descer 0,78% para 65,00 euros.

 

Esta é a tendência de todo o sector da energia, com a EDP a perder 1,06% para 2,70 euros, a EDP Renováveis a recuar 0,71% para 6,945 euros a REN a depreciar 0,65% para 2,432 euros.

Já a Navigator, que esta manhã apresentou os resultados de 2017, está a descer 0,85% para 4,198 euros. Os lucros da papeleira liderada por Diogo da Silveira ascenderam a 207,8 milhões de euros no ano passado. Este valor representa uma quebra de 4,5% face ao ano de 2016, período em que empresa obteve 217,5 milhões de euros. Apesar da descida, os resultados ficaram ligeiramente acima das estimativas do CaixaBI, que antevia que o resultado líquido da ex-Portucel fosse de 203 milhões de euros em 2017.