Bolsa Bolsa cai mais de 1% arrastada pela EDP Renováveis

Bolsa cai mais de 1% arrastada pela EDP Renováveis

A bolsa nacional não conseguiu escapar às quedas, ao contrário da maioria das congéneres europeias, que inverteram da tendência negativa e sobem, nalguns casos mais de 1%.
Sara Antunes 09 de Novembro de 2016 às 16:45

O PSI-20 desceu 1,47% para 4.495,26 pontos, com 13 cotadas em queda e cinco em alta. Entre as praças europeias a tendência é de ganhos, ao contrário do arranque do dia que foi marcado por quedas acentuadas, com os investidores a reflectirem os resultados das eleições dos EUA.

 

A vitória de Donald Trump provocou uma reacção imediata nos mercados. As bolsas chegaram a cair 5%, mas, na Europa, já sobem e em alguns casos mais 1%, o euro já perde mais de 0,5% e o petróleo regista quedas ligeiras. O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, sobe 1,42% para 339,67 pontos. O S&P500 avança 0,40%, depois de os futuros terem apontado para uma abertura em queda.

 

Na praça lisboeta, foi a EDP Renováveis que mais se destacou, ao cair 5,70% para 6,086 euros. A empresa liderada por Manso Neto é das mais afectadas na praça lisboeta, devido aos resultados das eleições dos EUA. A perspectiva de que a administração de Donald Trump não aposte em energias limpas está a pressionar as acções da Renováveis.

 

Na semana passada, "o presidente executivo da EDPR tentou acalmar os receios dos investidores sobre o aumento do risco político nos EUA", provocado pelos resultados eleitorais, afirmando que "os principais catalisadores do crescimento do negócio das renováveis no mercado dos EUA não dependem directamente do presidente", sublinhou o Haitong numa nota emitida na semana passada, após a conferência com analistas. Apesar deste contexto, Manso Neto "reconheceu que o presidente terá um impacto directo na implementação" do programa de energias limpas.

Ainda no sector da energia, a EDP caiu 3,07% para 2,84 euros, a Galp recuou 0,42% para 11,95 euros, numa altura em que o barril do Brent desce 0,28% para 45,91 dólares. Já a REN perdeu 1,20% para 2,628 euros.

 

Destaque também para o BCP, que recuou 0,86% para 1,15 euros, no dia em que decorre a assembleia-geral de accionistas e em que serão apresentados os resultados do terceiro trimestre do ano. Na reunião de accionistas estava agendada a votação do aumento do limite de votos de 20% para 30%, mas este ponto foi adiado para o dia 21 de Novembro. Este ponto é fundamental para a entrada da Fosun no capital do banco liderado por Nuno Amado.

  

Já o BPI contrariou a tendência e subiu 0,18% para 1,131 euros.

 

A subir e a travar maiores perdas estiveram ainda as acções da Corticeira Amorim, que subiram 2% para 8,269 euros, bem como a Sonae SGPS, que avançou 0,14% para 0,719 euros, antes de revelar os números dos primeiros nove meses.

 

(Notícia actualizada às 16:49 com mais informação)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

OS PORTUGUESES SAO UNS CAGADOS, O DAX ,VALORIZOU MAIS DE 1.5%.. O PS20 ,E UMA BOLSA DE ESPECULADORES, DOMINADA POR MEIA DUZIA. reforcei navigator, bons negocios

Anónimo Há 3 semanas

Caiu porque ganhou Trump? Não entendo os investidores portugueses, pequemos e grandes! Quem é Trump? Trump foi eleito como o 45º presidente dos Estados Unidos,que será secundado/aconselhado por todo um staff que nenhum de nós faz a mais pálida ideia, seguramente mais moderados que ele, logo calma, muita calma. Depois pensemos, contra a iniciativa privada? É anti-capitalista? Vai comer os portugueses e as empresas portuguesas ao pequeno almoço, a resposta é não... um ou outro sector de actividade, renováveis por exemplo, vai ter alguns problemas, sim vai ter, mas as farmacêuticas, por exemplo seriam prejudicada por Clinton, e daí viria mal ao mundo, não. Para terminar vejam o fe ho das bolsas europeias e o momento das norte americanas, está tudo dito. O nosso problema é que temos o oposto a Trump como primeiro ministro, e eu cá penso que no meio é que está a virtude. Paciência, melhores dias virão!!!

pub