Bolsa Bolsa cai pressionada pelas quedas da EDP e do BCP

Bolsa cai pressionada pelas quedas da EDP e do BCP

A bolsa nacional fechou a sessão em queda, pressionada pelas descidas da EDP e do BCP, num dia em que a maior parte dos índices bolsistas europeus caíram.
Sara Antunes 16 de Novembro de 2016 às 16:47
O PSI-20 recuou 0,21% para 4.395,09 pontos, com sete cotadas em queda, 10 em alta e uma inalterada, num dia marcado pela aprovação do Orçamento por parte de Bruxelas e pela ida ao mercado de dívida de Portugal, com o país a conseguir emitir dívida com juros negativos na maturidade a seis meses.

No resto da Europa a tendência foi igualmente de quedas, com a excepção a ser o índice grego, que subiu mais de 3%.

A negociação bolsista na Europa tem oscilado entre ganhos e perdas, numa altura em que a incerteza gerada pelos resultados das eleições dos EUA tem marcado o passo. "Estas oscilações mostram como as acções na Europa não conseguem aguentar-se por si só neste momento", afirmou à Bloomberg Steven Santos, do BIG. "As pessoas estão a recuperar da semana eleitoral, a focar-se no que vem a seguir e a aperceberem-se que as coisas ainda estão muito difíceis para a Europa", acrescentou.

Na praça nacional foi a EDP que mais pressionou, com a eléctrica a recuar 1,42% para 2,647 euros. A empresa liderada por António Mexia tem estado pressionada pela incerteza em torno da política energética nos EUA, após a vitória de Donald Trump. A mais afectada por este contexto tem sido a EDP Renováveis, que hoje subiu 0,42% para 5,935 euros.

 

Ainda no sector da energia, a Galp perdeu 0,25% para 12,00 euros, depois de ontem ter subido 4%, à boleia dos ganhos do petróleo. Esta quarta-feira, o barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a descer 0,21% para 46,85 dólares.

 

Em queda esteve também o BCP, que desceu 3,43% para 1,222 euros, depois de quatro dias consecutivos de subidas acentuadas, a reflectir a demonstração de interesse da Sonangol em elevar para mais de 20% a sua posição no capital do banco liderado por Nuno Amado.

 

Destaque também para a Pharol, que registou fortes quedas nos últimos dias devido à incerteza em torno do processo de recuperação da Oi (empresa em que detém 22%), recuperou hoje parte das quedas, subindo 4,32% para 0,193 euros. 


(Notícia actualizada às 16:55 com mais informação)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

as noticias a dizer que afinal o custo para o BCP na Polónia vão ser reziduais, que os custos com o fundo de resolução não vão ser alterados, e outras noticias que todos os dias estes meios de comunicação martelavam para meter a acção para o fundo agora não tem ninguém que lhes pague para noticiar

bicho Há 2 semanas

Eu sempre tenho dito que as "subidas" do BCP são para apanhar BCPatos

Anónimo Há 2 semanas

COFINA: SUPER ATRATIVA AO PREÇO ATUAL:
Com 3,6 M€ de lucros nos 9M2016, que dá 4,8 M€ estimados para o final do ano, corresponde a 0,0468 de lucro anual por cada uma das 102,56 milhões de açoes, ou seja um PER=5,51 (0,258 cotação de hoje/0,0468). Super barata! E,muito perto do mínimo anual (0,242).

Anónimo Há 2 semanas

a vergonha de alguém que tudo fez para esterruar o dinheiro dos que confiaram e investiram, se não fossem estes o banco tinha desaparecido e o pais caido numa catastrofe sem solução, a paga que receberam foi traição que isto de chegar aqui foi planeado há muito tempo pelo garoto. porco gatuno.

ver mais comentários
pub