Bolsa Bolsa cai pressionada pelos pesos-pesados

Bolsa cai pressionada pelos pesos-pesados

Grupo EDP, Galp, Nos, Jerónimo Martins e BCP iniciaram todos a semana em queda, o que está a ditar a descida do principal índice.
A carregar o vídeo ...
Sara Antunes 16 de janeiro de 2017 às 08:05
O PSI-20 recua 0,16% para 4.608,13 pontos, acompanhando a queda dos congéneres europeus, num arranque de semana que será marcado pela reunião do Banco Central Europeu (BCE) e pela tomada de posse de Donald Trump enquanto presidente dos EUA.

Na praça nacional, as quedas entre as acções que mais peso têm no índice estão a ser determinantes para o comportamento do índice bolsista.

O BCP, cujas acções negoceiam pela última vez sem ajustarem ao aumento de capital, está a descer 0,81% para 0,862 euros. Na terça-feira os títulos do banco liderado por Nuno Amado ajustam ao aumento de capital, no valor total de 1,33 mil milhões de euros, e os direitos começam a negociar dois dias depois (19 de Janeiro). Tendo em consideração o actual valor das acções, o valor teórico dos direitos é de 0,720 euros. Já a cotação das acções após aumento de capital é de 0,1420 euros. O Negócios fez uma calculadora, através da qual é possível analisar qual o montante que terá de investir para participar no aumento de capital (cada nova acção custará 9,4 cêntimos), e elaborou um especial onde explica toda a operação. 

Ainda na banca, o BPI desce 0,09% para 1,128 euros, numa altura em que continua a aguardar pela aprovação, por parte da CMVM, do prospecto da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelos espanhóis do CaixaBank. 

Em queda está também o grupo EDP, com a eléctrica liderada por António Mexia a ceder 0,07% para 2,772 euros, enquanto a EDP Renováveis deprecia 0,55% para 5,779 euros. 

Ainda no sector da energia, a Galp cai 0,35% para 14,40 euros e a REN cede 0,35% para 2,59 euros. 

A Jerónimo Martins, que na semana passada relevou as vendas preliminares de 2016, recua 0,25% para 15,815 euros. As vendas líquidas da Jerónimo Martins aumentaram 6,5%, no ano passado, a beneficiarem de um "forte desempenho no quarto trimestre". Os analistas consideraram os números "impressionantes", mas consideram que as acções acções já reflectiram estes dados. 

A pesar na negociação está também a Nos, ao recuar 0,22% para 5,33 euros.

Do lado oposto estão os títulos dos CTT, que sobem 0,39% para 6,124 euros. Bem como da Corticeira Amorim, que aprecia 1,21% para 8,779 euros. 

(Notícia actualizada com mais cotações)

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
AB 16.01.2017

Atenção aos resultados de SONAE, que são muito positivos ... estão a tentar afundar a cotação para comprar barato... não entendo a lógica de quem as vende, tendo em conta, nomeadamente o potencial de valorização!

fred 16.01.2017

Qualquer análise é tão ridícula, que estes sim, deviam ganhar o salário mínimo. A verdade é que uma mulher a dias, ou um trolha, porduzem muito mais do que qualquer analista financeiro. Que trabalho é esse de dar palpites sobre o que toda a gente sabe que não tem a mínima base científica? Idiotas!

Anónimo 16.01.2017

Bela INAPA vais recuperar tudo o que perdeste desde março 2014. Tou entalado mas nunca deixei de acreditar. Ainda bem que o antigo ceo foi para o Montepio. O mercado também parece estar a acreditar na nova gerência, bons negócios em frança compra da Embaltec e Papyrus e despachou o cancro na Suíça.

pub