Bolsa Bolsa de Lisboa na maior série de perdas em quase cinco meses

Bolsa de Lisboa na maior série de perdas em quase cinco meses

A praça portuguesa abriu em terreno negativo pela quinta sessão, a caminho de fechar a segunda semana consecutiva com perdas. A maior queda do índice cabe à Corticeira Amorim - tomba mais de 9% depois de Amorim ter vendido 10% da empresa.
Paulo Zacarias Gomes 04 de Novembro de 2016 às 08:09
O PSI 20 iniciou a última sessão da semana com quedas, em linha com as praças europeias, pressionado pelas perdas do BCP, da Corticeira Amorim e da Galp.

O Velho Continente repete as perdas nas praças asiáticas depois de, também ontem, Wall Street ter encerrado no vermelho. Os receios com o desfecho das eleições de terça-feira nos EUA diminuem o apetite pelo risco, a que se junta ainda a queda dos preços da energia.

Em Lisboa, o principal índice accionista cai 0,51% para 4.516 pontos, em mínimos de 7 de Outubro. É a quinta sessão consecutiva de desvalorizações para o PSI-20, na maior série negativa desde 14 de Junho, ou seja quase cinco meses.

A liderar as perdas está a Corticeira Amorim, tombando 9,77% para 7,8 euros. É a primeira reacção do mercado à venda acelerada de 10% da participação das empresas de Américo Amorim na companhia industrial, conhecida ontem e que permitiu um encaixe de 107 milhões de euros. Uma alienação feita a 7,9 euros por acção, um desconto de 8,6% face à cotação de fecho de 3 de Novembro.

Em queda está também o BCP, que com um recuo de 0,46% está agora abaixo dos 1,2 euros (1,1915 euros) e apenas registou uma sessão de valorização desde que, há quase duas semanas, foi feita a operação de reagrupar 75 títulos num só. O BPI destoa e ganha 0,27% para 1,131 euros.

Com o petróleo a experimentar recuos ligeiros em Nova Iorque e em Londres (menos de 0,2% em ambos os casos, abaixo dos 45 dólares nos EUA), a Galp continua do lado das quedas em Lisboa, a cair 0,37% para 11,975 euros. Em terreno negativo estão também as retalhistas. A Sonae cai 0,14% para 0,705 euros e a Jerónimo Martins recua 0,6% para 15,63 euros.

A travar uma maior queda da praça portuguesa estão os papéis da EDP. Depois de a eléctrica ter apresentado uma queda de lucros de 16% nos primeiros nove meses, com o menor contributo de eventos não recorrentes, o resultado ficou acima do esperado pelos analistas. Os títulos somam 0,58%, para 2,926 euros.

(Notícia actualizada às 8:21)



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Sr AMADO, era grande favor para os portugueses demitir-se, visto o Sr estar a destruir o pouco que resta do bcp. Não sei se tem noção do mal que esta a fazer a esta instituição?Demita-se homem, se é´que o é.Incompetentes como o Sr está o mundo cheio. E neste caso, caro Sr, é um INCOMPETENTE

PARA O CEO DO BCP E PARA OS ACIONISTAS Há 4 semanas

Sr. Amado, desde o dia 24 de Outubro, dia do RSS, a cotação do BCP já caiu 12 %! E não só nada diz como ainda decidiu mudar a data da apresentação dos resultados para depois das inscrições para presença e votação na AG, para assim a blindagem a 20 ou 30 % passar e ficar tudo igual consigo como CEO?

Amado anda sorridente q nem cepo! Há 4 semanas

O cancro chamado de BCP lá continua no trambolhão depois de reagrupar 75 títulos num só!! Pq fizeram isso? Para ter mais margem para caírem! O Amado aselha anda por lá a tomar café, os mais de 400 mil € ano estão garantidos! Quer lá saber do tombo da banqueta q (des)gere! Oh, Amado vai pró c-a.ralho

Anónimo Há 4 semanas

COFINA: INVERSÃO DA QUEDA: Receitas de jornais e TV no 1ºSem./16 caíam -1% (para 39,9 M€), 3 meses após no conjunto de 9 meses/2016 já sobem 0,9% (para 61,1 M€). Dívida liquida continua a baixar,para 56,5 M€,menos 2,1 M€ que final de Junho/16. E, tem lucros de 3,6 M€ nos 9 meses. COMPRAR FORTEMENTE.

pub