Bolsa Bolsa de Lisboa recupera ao fim de quatro sessões

Bolsa de Lisboa recupera ao fim de quatro sessões

A praça portuguesa acompanha o sentimento positivo nas pares europeias e arrancou a sessão desta quarta-feira com ganhos sustentados pela Jerónimo Martins, BCP e EDP. Eleições na Holanda e decisão da Fed marcam o dia dos investidores.
A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes 15 de março de 2017 às 08:07
O principal índice bolsista nacional regressou aos ganhos após três sessões negativas, em recuperação de mínimos de um mês, com a Jerónimo Martins, o BCP e a EDP a suportarem as valorizações.

O PSI-20 soma 0,16% para 4.587,80 pontos, com oito títulos a registarem ganhos, quatro em terreno de perdas e cinco inalterados.

A retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos avança 0,29% para 15,69 euros, depois de conhecida a continuação de subida da inflação no sector alimentar na Polónia - o seu maior mercado - enquanto o banco presidido por Nuno Amado ganha ligeiros 0,06% para 15,75 cêntimos. A EDP acrescenta 0,21% para 2,84 euros.

No sector energético a Galp recupera das perdas de ontem, a acompanhar a subida dos preços do petróleo tanto em Londres como em Nova Iorque, onde o preço do barril de ouro negro ganha mais de 1%. Depois das quedas de ontem, motivadas por notícias de produção acima do esperado na Arábia Saudita em Fevereiro, o mercado aguarda esta quarta-feira, 15 de Março, pelos números das reservas semanais nos EUA, país cuja costa leste está debaixo de uma tempestade de neve. 

Entre os avanços na praça portuguesa está também a Mota Engil, que sobe 1,58% para 1,795 euros, depois da confirmação do presidente da Thai Mozambique Logistics, José Pires da Fonseca, de que a construtora portuguesa ganhou uma obra de 2.300 milhões de dólares, em consórcio com os chineses da China National Complete Engineering Corp (CMEC), para desenvolver uma linha ferroviária e um porto para exportar carvão a partir do centro do país.

A limitar os ganhos estão as cedências da Nos, da REN e da EDP Renováveis, com a operadora a cair 0,12% para 4,921 euros, tendo esta manhã registado já um novo mínimo intradiário de Dezembro de 2014.

As valorizações na praça portuguesa acompanham o resto da Europa, no dia em que a Holanda vai a votos e se mantém a dúvida sobre a possível ascensão da extrema-direita de Geert Wilders e também na sessão em que a Reserva Federal revelará se aumenta juros.

A praça holandesa recupera das quedas de ontem e soma agora 0,31%. Entre as praças europeias, Paris - com uma queda muito ligeira de 0,04% - é a única a destoar dos ganhos.

Em Washington, os investidores dão quase como certo que o intervalo da taxa dos fundos federais suba 25 pontos base, decisão a ser anunciada no final da reunião de dois dias da Reserva Federal norte-americana.  

Noutra frente, a do mercado secundário de transacção de dívida soberana portuguesa, os juros associados aos títulos agravam no caso das obrigações e recuam nas 'yields' associadas aos bilhetes do Tesouro, no dia em que Portugal vai aos mercados para tentar levantar até 1.500 milhões de euros em dois leilões, nos prazos de seis e 12 meses.

(Notícia actualizada às 8:24 com mais informação)



A sua opinião49
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Antunes 15.03.2017

Todas as bolsas europeias no verde
Os futuros americanos estão no verde, que por isso as bolsas americanas devem abrir a ganhar.
A nossa bolsita entrou no Vermelho
Triste
Ou os políticos e empresários fazem boa governação desta nação.
E também fazem novos regulamentos para a bolsa, se não a nossa bolsa vai morrer definitivamente

comentários mais recentes
Antunes 15.03.2017

a bolsa Portuguesa é uma vergonha nacional e mundial
toda a europa subio novamente
nos Eua as bolsas também estão subindo
aqui em contraciclo "novamente" perdas
até onde ira este psi 17, brevemente psi 19
quem são os causadores são os politicos Portugueses que tem levado a ruina desta nação
ainda hoje um organismo, e o ministro alemão das finanças, deram alertas a Portugal
nunca vamos passar da cepa torta, depois os politicos portugueses dizem que é uma injustiça o que fazem com Portugal quando os juros das yeldes a 10 anos começam a trepar
temos uma divida suberana enorme de 130% do pib, com politicos de 5ªcategoria a governar Portugal desde 1974, que se tem abastado bem
os lobys e que interessam aos politicos portugueses para "governarem", para encher os seus bolsos e dos amigos
os investidores internacionais, os fundos, etc, não entram na nossa bolsa porque sabem da situação ao pormonor portuguesa
mas vale mesmo investitir em outras bolsas e deixar esta morrer

Anónimo 15.03.2017

ALTRI bull... bull que a pariu....

Anónimo 15.03.2017

A ser assim, esses tais "gestores" sonae estão só a olhar para a sua vaidade pessoal, pensando só em fazer boa figura ! E isso é imperdoável ! Vai ter consequências futuras...não por nós, que não valemos nada...mas os grandes tb estão atentos !

Anónimo 15.03.2017

Amigo sabonete banha da cobra, o seu comentário vem de encontro ao que eu disse : o mau desempenho é provocado pelos próprios gestores sonae !!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub