Bolsa Bolsa desvaloriza 2% em dia de quedas generalizadas

Bolsa desvaloriza 2% em dia de quedas generalizadas

A bolsa nacional está a perder 2%, num dia que está a ser marcado pela reacção dos mercados aos resultados eleitorais dos EUA. Lisboa está entre as praças que mais caem.
Bolsa desvaloriza 2% em dia de quedas generalizadas
Sara Antunes 09 de Novembro de 2016 às 13:46

O PSI-20 desce 2,01% para 4.470,33 pontos, com 16 cotadas em queda e duas em alta. Entre as praças europeias a tendência é de quedas, mas menores do que no arranque da sessão. A vitória de Donald Trump provocou uma reacção imediata nos mercados. As bolsas chegaram a cair 5%, mas, na Europa, já caem menos de 1%, o euro sobe menos de 0,2% e o petróleo já regista ganhos ligeiros em Londres, enquanto perde menos de 0,5% em Nova Iorque. O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, desce 0,70% para 332,57 pontos. Os futuros do S&P500 caem 1,57%, tendo chegado a deslizar 5%.

Na praça lisboeta, é a EDP Renováveis que mais se destaca, ao cair 5,76% para 6,082 euros. A empresa liderada por Manso Neto é das mais afectadas na praça lisboeta, devido aos resultados das eleições dos EUA. A perspectiva de que a administração de Donald Trump não aposte em energias limpas está a pressionar as acções da Renováveis.

 

Na semana passada, "o presidente executivo da EDPR tentou acalmar os receios dos investidores sobre o aumento do risco político nos EUA", provocado pelos resultados eleitorais, afirmando que "os principais catalisadores do crescimento do negócio das renováveis no mercado dos EUA não dependem directamente do presidente", sublinhou o Haitong numa nota emitida na semana passada, após a conferência com analistas. Apesar deste contexto, Manso Neto "reconheceu que o presidente terá um impacto directo na implementação" do programa de energias limpas.

 

Ainda no sector da energia, a EDP cai 2,87% para 2,846 euros, a Galp recua 0,46% para 11,945 euros e a REN perde 1,20% para 2,628 euros.

 

Destaque também para o BCP, que recua 2,26% para 1,1338 euros, no dia em que decorre a assembleia-geral de accionistas e em que serão apresentados os resultados do terceiro trimestre do ano.

  

O BPI é uma das duas excepções, ao subir 0,18% para 1,131 euros.

 

A outra cotada que contraria a tendência generalizada de queda é a Altri, ao subir 0,50% para 3,187 euros.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub