Bolsa Bolsa nacional a caminho da maior série de quedas em quase dois meses

Bolsa nacional a caminho da maior série de quedas em quase dois meses

A bolsa nacional segue em queda ligeira pela quarta sessão, penalizada sobretudo pelo BCP e pela Nos. Na Europa, não há uma tendência definida.
Bolsa nacional a caminho da maior série de quedas em quase dois meses
Bruno Simão/Negócios
Rita Faria 24 de outubro de 2017 às 12:56

Depois de ter chegado a negociar em terreno ligeiramente positivo ao início da manhã, a bolsa nacional inverteu para o lado das descidas, penalizada sobretudo pela evolução dos títulos do BCP e Nos. 

Nesta altura, o PSI-20 cai 0,18% para 5.426,33 pontos, seguindo com sinal vermelho pela quarta sessão consecutiva, a mais longa série de perdas desde o início de Setembro. Das 18 empresas que formam o principal índice nacional, 13 estão no vermelho e cinco a subir.

 

Na Europa, as descidas em Lisboa, Amesterdão e Atenas contrastam com as subidas em Madrid, Frankfurt e Paris, num dia em que os investidores continuam atentos à apresentação dos resultados das empresas relativos ao terceiro trimestre, e à espera da reunião mensal do BCE agendada para esta quinta-feira.

 

Por cá, o banco liderado por Nuno Amado desvaloriza 0,55% para 25,36 cêntimos, enquanto a Nos cai 0,96% para 5,174 euros.

 

A penalizar estão ainda duas cotadas do sector da energia: a EDP e a Galp. E a eléctrica recua 0,40% para 2,995 euros enquanto a Galp desce 0,13% para 15,54 euros, contrariando a evolução positiva dos preços do petróleo nos mercados internacionais.

 

Ainda na energia, a REN ganha 0,26% para 2,677 euros e a EDP Renováveis sobe 0,34% para 7,084 euros, no dia em que o Haitong revelou uma nota de análise onde antecipa que a empresa tenha fechado o terceiro trimestre do ano com lucros de 13 milhões de euros, excluindo resultados extraordinários, o que compara com 30 milhões de euros de prejuízos um ano antes.

 

Em queda estão também os títulos da Sonae – perdem 0,39% para 1,027 euros – enquanto a sua congénere do retalho, a Jerónimo Martins, ganha 1,09% para 15,755 euros, na véspera de apresentar os seus resultados relativos ao terceiro trimestre.

 

Também a Pharol desvaloriza 2% para 44 cêntimos, depois de a Assembleia Geral de Credores da Oi ter sido novamente adiada, a pedido do administrador judicial, já só devendo ter lugar a 10 de Novembro. 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Os mortos vivos Há 3 semanas

O BCP sobe 85% desde o AC. Para morto está com bastante genica o malvado... Mas como desceu, muito ligeiramente, durante dois dias, aparecem logo os ignorantes a berrar. Haja paciência para tanta ignorância.

BCP Morreu Há 3 semanas

BCP Está morto! Uma vergonha o que se passa com o maior banco privado!

joaoferreira1 Há 3 semanas

Hoje não vi por aqui nem o phirolito nem o maluquinho que anda sempre a afaga-lo. Estranho, num dia que o BCP caiu. Devem estar os dois a consolar-se. Neste caso o maluquinho deve tar a xupar o phirolito eheheheh

joaoferreira1 Há 3 semanas

O meu tio em 1945 foi campeão olimpico...se calhar hoje podia ser tetra eheheeh...ou ir de MOTA.

ver mais comentários