Bolsa Bolsa nacional cai há seis dias. O maior ciclo de quedas desde Abril de 2016

Bolsa nacional cai há seis dias. O maior ciclo de quedas desde Abril de 2016

A bolsa nacional regressou às quedas, num arranque de sessão em que o BCP é o grande responsável pela queda, mas não está sozinho, já que a maioria das cotadas está a descer.
Bolsa nacional cai há seis dias. O maior ciclo de quedas desde Abril de 2016
Bloomberg
Sara Antunes 26 de outubro de 2017 às 08:05
O PSI-20 desce 0,08% para 5.364,27 pontos, com 10 cotadas em queda, cinco em alta e três inalteradas. A bolsa nacional cai assim há seis sessões consecutivas, o que já não acontecia desde o início de Abril de 2016.

As restantes praças europeias seguem em alta, numa manhã marcada pela apresentação de resultados de várias cotadas, com destaque especial para a banca, cujos números superaram as estimativas. Isto num dia que será marcado pelo fim da reunião do Banco Central Europeu (BCE), onde se prevê que seja anunciado o início do plano de redução de estímulos à economia. 

Na bolsa nacional é, mais uma vez, o BCP que dita a cor. O banco liderado por Nuno Amado recua 1,48% para 0,246 euros.

Mas não está sozinho nesta tendência. A EDP recua 0,17% para 2,945 euros, a Mota-Engil cai 0,24% para 3,294 euros e a Altri cede 0,15% para 5,405 euros. Já a Jerónimo Martins, que revelou os números do terceiro trimestre ontem ao final do dia, desce 0,06% para 15,77 euros. 

A Jerónimo Martins terminou o terceiro trimestre do ano com um resultado líquido acumulado de 285 milhões de euros, o que corresponde a uma quebra de 43% quando comparado com o mesmo período do ano passado. Os números ficaram em linha com o estimado pelos analistas do CaixaBI que previam um lucro de 292 milhões de euros.

Quem revelou os seus números dos primeiros nove meses do ano foi também a Navigator, com a ex-Portucel a reportar um aumento de 8,6% dos lucros para 145,8 milhões de euros, ligeiramente acima do estimado pelos analistas do CaixaBI. Os incêndios provocaram um prejuízo de 2,2 milhões à companhia. As acções da empresa liderada por Diogo Silveira sobem 0,07% para 4,29 euros. 

(Notícia actualizada com mais informação)



A sua opinião28
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Isto parece um casino !!! Há 3 semanas

Vim aqui para tentar perceber a situação fundamental do BCP com vista a possivelmente investir nele após profunda análise.
Saio tão ignorante como entrei.
Reina aqui um espírito e uma mentalidade de casino que pode ser ideal para ataques dos shorts e dos fundos abutres mas que a mim não me interessam.
Vou daqui fugir como o diabo foge da cruz.
No entanto boa sorte a todos os habitantes deste fórum.Mas dou-vos um conselho fruto do que vi e vivi no mundo dos investimentos: a mentalidade de casino só leva normalmente a um resultado : a ruína.Votos para que arrepiem caminho e não venha a ser o vosso caso

comentários mais recentes
RE: "É MESMO UM CASINO" Há 3 semanas

"Tem duvidas de que a bolsa é um casino?"
De facto, para muitos, infelizmente será.
Mas, em minha opinião, há que contrariar e tentar dissuadir pedagogicamente que o seja.
Porque, num casino, a vantagem estatística está sempre do lado do...casino!
Na Bolsa, havendo ética e supervisores a sério que a imponham, a vantagem pode não estar apenas do lado dos intermediários, mas sim de quem estuda, de quem seleciona em extensão, de quem analisa em profundidade, de quem investe com prudência, de quem controla resultados com exigência, de quem poupa nos custos de gestão e transação.
Tal não garante de forma alguma o sucesso, mas evita a certeza da sua ruína probabilisticamente certa como no caso do casino, maximizando ao invés a sua probabilidade de sucesso (mesmo que ténue) a longo prazo.
E será o que mais interessa ao Investidor individualmente e, por generalização, ao País que o apoia (ou deve apoiar, para benefício coletivo).
Abraço e boa sorte nos seus investimentos...na Bolsa.

Sugestão à CMVM Há 3 semanas

Já que Vocês assinaram um protocolo com o Abu Dhabi, aproveitem para tentarem induzir alguns dos grandes milionários do petróleo do Abu Dhabi a investirem na Bolsa Portuguesa, ou a entregarem partes das sua grandes fortunas a instituições idóneas de Gestão de Ativos em Portugal.
Algumas dessas instituições têm excelentes profissionais que, quando devidamente motivados, enquadrados, dirigidos por gestores competentes e experientes e supervisionados com rigor- estão em condições de obter resultados de qualidade internacional.Seria bom para o País dar-lhes trabalho em Portugal e fazê-los pagar impostos…em Portugal; seria bom para os investidores portugueses porque iria trazer liquidez a uma Bolsa moribunda; seria bom para esses profissionais porque evitaria terem de partir para longe para colocarem ao serviço de outros Povos qualidades de competência, criatividade e capacidade de trabalho que seguramente prefeririam colocar primeiro ao serviço do Povo que os viu nascer, criou e educou.

D Há 3 semanas

O Sr. Eng Belmiro Azevedo, sim senhor , talvez o maior empresário português de sempre ! Mas agora ele já não risca nada na Sonae, devido à idade avançada e saúde debilitada ! Os filhos...ainda precisam de dar muitas provas...!

MOTA ENGIL, sem sobressaltos Há 3 semanas

Para se ver se uma cotada merece confiança, dos investidores, é quando há quedas fortes, a ação mantem-se, foi o que aconteceu com a MOTA ontem, os acionistas não venderam, pelo contrário estão a comprar. bom sinal para avançar,

ver mais comentários
pub