Bolsa Bolsa nacional cai pelo quarto dia pressionada pela Nos

Bolsa nacional cai pelo quarto dia pressionada pela Nos

A praça lisboeta fechou em terreno negativo pelo quarto dia seguido, contrariando a tendência predominante na Europa. Em Lisboa foi a Nos, que recuou perto de 2%, que mais penalizou.
Bolsa nacional cai pelo quarto dia pressionada pela Nos
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 15 de março de 2017 às 16:41

O PSI-20 encerrou a sessão bolsista desta quarta-feira, 15 de Março, a perder 0,17% para 4.572,64 pontos, com nove cotadas a negociar em queda e as restantes oito em alta, naquele que foi o quarto dia consecutivo em que a praça lisboeta acumulou perdas.


O principal índice nacional transaccionou mesmo em mínimos de 13 de Fevereiro num dia em que contrariou o sentimento dominante na generalidade das principais praças do velho Continente, que negociaram em alta impulsionadas pelo sector mineiro num momento em que os investidores olham para os Estados Unidos cujo banco central deve ainda hoje anunciar um novo aumento dos juros.

 

No plano nacional foi a Nos que mais pressionou, com a operadora de telecomunicações a fechar a sessão a recuar 1,97% para 4,83%, isto num dia em que a empresas liderada por Miguel Almeida registou o quarto dia seguido de perdas e em que tocou em mínimos de 25 de Novembro de 2014 ao resvalar praticamente 3% para negociar nos 4,783 euros por acção. 

Também a pressionar a bolsa lisboeta esteve o sector do retalho, com a Sonae a desvalorizar 1,18% para 0,839 euros e a Jerónimo Martins a deslizar 0,26% para 15,605 euros. 

Nota negativa ainda para a Navigator que perdeu 0,48% para 3,553 euros no dia em que a agência Lusa noticiou que os trabalhadores da empresa vão fazer hoje uma concentração junto ao complexo industrial de Setúbal para exigirem aumentos salariais de 1,7%. Já a empresa propõe 1,3% de actualização salarial para 2017, segundo revelou à Lusa uma fonte sindical.

Já no sector energético o sentimento dividiu-se, com a EDP a ceder 0,11% para 2,831 euros, isto no dia em que o administrador financeiro, Nuno Alves, revelou em entrevista à agência Bloomberg que a eléctrica prevê emitir pelo menos 500 milhões de
 dólares (470 milhões de euros) em dívida a sete e 10 anos.

Em sentido inverso, a EDP Renováveis ganhou 0,31% para 6,119 euros e a Galp Energia avançou 0,18% para 13,54 euros, seguindo a tendência de valorização do preço do petróleo nos mercados internacionais, numa altura em que em Londres o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência para as importações nacionais, segue a subir 1,43% para 51,65 dólares por barril. 

A finalizar e também a impedir uma queda mais pronunciada do PSI-20 esteve o BCP que terminou o dia a apreciar 0,57% para 0,1583 euros.

(Notícia actualizada às 16:53)




A sua opinião28
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rado Há 1 semana

E este texto de ontem está na homepage porquê?

RFPB Há 2 semanas

aaaa

Na nossa bolsa temos cotadas que bons potenciais de valorização.
A Nos, Altri, os CTT, BCP, Galp e EDP....
Vamos ver o que sobe.

Anónimo Há 2 semanas

aaaa, Antunes, etc. o homem não pára!!!!!!

fui agora mesmo a ratinha a tua mãe.
e sobe-me tão bem
sabe a bacalhão

Anónimo Há 2 semanas

aaaa, Antunes, etc. o homem não pára!!!!!!

ver mais comentários
pub