Bolsa Bolsa nacional cai pelo segundo dia pressionada pela energia e retalho

Bolsa nacional cai pelo segundo dia pressionada pela energia e retalho

A bolsa lisboeta negociou em queda pelo segundo dia seguido, acompanhando a tendência de perdas verificada nas principais praças europeias. Numa sessão em que esteve em mínimos de 30 de Março, foram as quedas do retalho, energia e da Nos que mais pressionaram.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 18 de abril de 2017 às 16:46

O PSI-20 encerrou a sessão desta terça-feira, 18 de Abril, a recuar 0,72% para 4.927,06 pontos, com 16 cotadas em queda e as restantes três em alta, com o principal índice nacional a seguir o comportamento verificado na generalidade das principais praças europeias. Tanto o PSI-20, que transaccionou em mínimos de 30 de Março ao longo do dia, como o Stoxx 600 registaram a segunda sessão seguida em terreno negativo. 

 

A contribuir para a apreensão dos investidores europeus na sessão desta terça-feira esteve o recente agravar da incerteza política e da instabilidade geopolítica. Desde logo a decisão hoje anunciada pela primeira-ministra britânica, Theresa May, que levará ao Parlamento uma proposta para a antecipação das eleições gerais para o próximo dia 8 de Junho. O que levou o índice britânico FTSE a registar a maior queda diária desde 27 de Junho, logo depois da vitória do Brexit no referendo.

 

Além desta questão, sobe de tom a troca de argumentos entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos, com o vice-presidente americano, Mike Pence, a referir que o último ensaio com um míssil balístico realizado por Pyongyang no passado fim-de-semana foi uma clara acção provocatório do regime norte-coreano.

 

No plano nacional foram os sector da energia, retalho e a Nos que mais penalizaram. A EDP terminou o dia a perder 0,98% para 3,128 euros, e a EDP Renováveis recuou 0,24% para 6,943 euros, numa altura em que a empresa liderada por Manso Neto dispõe de oito dias para avaliar a OPA lançada pela casa-mãe. 

Também a Galp Energia resvalou 0,27% para 14,535 euros, seguindo a tendência de desvalorização do preço do petróleo nos mercados internacionais, numa altura em que o Brent, negociado em Londres e utilizado como valor de referências para as importações nacionais, está a cair 0,51% para 55,08 dólares por barril. Esta terça-feira foi revelado que a petrolífera nacional registou variações positivas na exploração e produção de petróleo e nas vendas de energia, pese embora tenha recuado nas vendas em mercados internacionais.

Ainda na energia, a REN desvalorizou 1,46% para 2,70 euros.

 

Também a penalizar esteve o retalho, com a Jerónimo Martins a deslizar 1,26% para 16,51 euros, no dia em que a imprensa polaca noticiou as ameaças dos sindicatos locais de avançarem com uma greve na Biedronka como forma de protesto a favor de melhores salários. Já a Sonae a ceder 0,22% para 0,92 euros. Nota também para a Sonae Capital que mesmo tendo fechado a sessão a recuar 0,35% para 0,866 euros, transaccionou nos 0,885 euros durante o dia, o que representa um máximo de Dezembro de 2009. 

A Nos também pressionou ao cair 1,26% para 5,085 euros, tal como os CTT que caíram 0,57% para 5,087 euros. 

A travar uma queda mais expressiva da praça lisboeta esteve o BCP que ganhou 0,34% para 0,1785 euros, o que acontece no dia seguinte ao banco liderado por Nuno Amado ter comunicado à CMVM que o Norges Bank voltou a reforçar a posição detida na instituição portuguesa, tendo passado a deter uma parcela de 2,42% do capital social do banco português. 

Esta terça-feira o Negócios noticiou que os quatro maiores bancos do sistema português conseguiram "ganhos" fiscais que permitiram melhorar os seus resultados do ano passado em 1.570 milhões de euros, o que contribuiu decisivamente para que o BCP tenha registado lucros em 2016.  

(Notícia actualizada às 16:55)




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Cipião Numantino da Boina 18.04.2017

os americanoszitos pensavam que iam ser os policias do mundo toda a vida, mandam-no nos outros
porcos americanos comandado actualmente com um maluco esquizefrenico
cuidado com a russia, que tem um potente arsenal nuclear
muitas das bombas russas invisiveis aos radares
vem os americanoszitos com a bomba das mães no afeganistão, coitaditos.
cuidado que os russos vão ter em breve uma bomba SANTANÁS 2 que irá ter 12 ogivas nucleares, que segundo as previsões dos analistas destruirá uma nação inteira, mas uma nação das grandes, porque se fosse Portugal ficariamos em areia

comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2017

Acordem!
Comprem PHAROL... A OI subiu 20% e a PHAROL manteve-se...
Wake up! Rumo aos 40 cêntimos novamente...

Criador de Touros 18.04.2017

O BCP hoje antes do leilão final estava imparável...Parece que há gente que lê as notícias muito devagarinho, aquilo custa a andar, primeiro têm de dar uma volta ao bilhar grande e depois lá começam a chegar as ordens, tudo a diesel ainda, mas quando embalam, é em grande, estilo 24 Horas de Le Mans. A ideia é comprar as fichas e esperar uns tempos para facturar em grande.Estou curioso com o dia de amanhã.

Criador de Touros 18.04.2017

Parabéns ao CR7: é o rei da estatística !!...e hoje fez um dos grandes jogos da sua carreira, com um hat-trick ao Bayern Munchen e um total de 5 golos nas duas mãos. Beckembauer chamou-lhe pavão uma vez, deve estar que nem pode.

Skizy 18.04.2017

oi sobe 20% acumulado e pharol cai?

ver mais comentários
pub