Bolsa Bolsa nacional fecha em queda pressionada pela EDP e JM

Bolsa nacional fecha em queda pressionada pela EDP e JM

A praça lisboeta fechou no vermelho num dia em que os títulos do grupo EDP pressionaram, em especial a EDP que recuou e acumulou a maior série de perdas do último meio ano.
Bolsa nacional fecha em queda pressionada pela EDP e JM
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 27 de junho de 2017 às 16:44

O PSI-20 encerrou a sessão desta terça-feira, 27 de Junho, a perder 0,79% para 385,99 pontos, com 15 cotadas em queda e as restantes cinco em alta. Depois de ao início da manhã a bolsa lisboeta ter chegado durante alguns minutos a negociar em alta, acabou por transaccionar no vermelho no resto do dia.

 

O principal índice nacional acompanhou a tendência de perdas que predominou na Europa, com o Stoxx 600, que agrega as 600 maiores cotadas do Velho Continente, a negociar em terreno negativo ao longo de toda a sessão. A pressionar as principais bolsas europeias esteve, em especial, o sector automóvel que recuou cerca de 1,5%.

 

No plano nacional foi a EDP que mais pressionou, com a empresa liderada por António Mexia a perder 1,77% para 2,892 euros, no sexto dia consecutivo a negociar em queda, o que representa a maior série de perdas para a eléctrica desde que na sessão de 10 de Janeiro último culminou um ciclo de seis dias seguidos a perder valor. A cotada negociou nos 2,887 euros por acção, o valor mais baixo desde 27 de Março.

 

A EDP Renováveis seguiu a tendência fechando a recuar 0,43% para 6,97 euros, enquanto a REN resvalou 1,98% para 2,778 euros.

Ainda na energia e em contraciclo, a Galp avançou 1,03% para 13,215 euros, seguindo a tendência de ganhos do petróleo nos mercados internacionais, numa altura em que o crude transaccionado em Londres e em Nova Iorque valoriza acima de 2% para o maior ciclo de valorizações no espaço de um mês.

Também a penalizar a bolsa nacional esteve a Jerónimo Martins que desvalorizou 2,15% para 17,32 euros, um sentimento contrariado pela outra retalhista, a Sonae que ganhou 0,85% para 0,945 euros. 

Com quedas superiores a 1% encerraram também a Nos (-1,61% para 5,452 euros), a Mota-Engil (-1,88% para 2,559 euros) e a Semapa (-1,54% para 16,955 euros).

Nota negativa ainda para a Navigator, que resvalou 0,96% para 3,907 euros, e para o sector financeiro, com o BCP a recuar 0,30% para 0,2355 euros e as unidades de participação do Montepio a caírem 1,46% para 0,473 euros. 

(Notícia actualizada às 16:51)




A sua opinião38
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado rosa pereira 27.06.2017

A tal notícia era de 2008 e o Nuno Amado era o Presidente Executivo do Santander Totta.
Era só para ver se estavam atentos

Bons negócios

comentários mais recentes
Criador de Touros 28.06.2017

rosa pereira, amiga do bcp
sabes ando com uma tesão
sinto algo por ti

Anónimo 27.06.2017

rosa pereira ninguém te lê nem ao ranhoso nem ao massa bruta ninguém vos liga

NAVIGATOR- DIVIDENDO 27.06.2017

só para recordar os distraídos . dia 5 de julho mais um dividendo da PORTUCEL. quem não quiser o dividendo tem que vender já na sexta feira, se quiser receber , 2ª feira é o dia do ex dividendo, a ação abre já com este desconto. eu vendo sexta e compro na 2ª na abertura do mercado,

rosa pereira 27.06.2017

A tal notícia era de 2008 e o Nuno Amado era o Presidente Executivo do Santander Totta.
Era só para ver se estavam atentos

Bons negócios

ver mais comentários
pub