Bolsa Bolsa nacional fecha semana em alta com Galp a impulsionar

Bolsa nacional fecha semana em alta com Galp a impulsionar

A praça lisboeta terminou a semana a negociar em alta no segundo ciclo semanal a valorizar, isto numa sessão em que as subidas da Galp, da Mota-Engil e da Ibersol contribuíram para a prestação positiva da bolsa nacional.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 22 de setembro de 2017 às 16:41
O PSI-20 encerrou a sessão desta sexta-feira, 22 de Setembro, a ganhar 0,08% para 5.310,06 pontos, com 10 cotadas em queda e oito em alta, num dia em que a bolsa nacional tocou em máximos de 21 de Julho. A praça lisboeta fechou ainda a semana com uma valorização de quase 2%, no segundo ciclo semanal seguido a somar.

A bolsa lisboeta seguiu a tendência de ganhos registada nas principais praças europeias, numa sessão em que também o índice de referência europeu Stoxx 600 negociou no valor mais alto desde 27 de Julho. 

A Galp Energia, com uma subida de 2,51% para 14,90 euros, foi a cotada que mais apoiou a prestação positiva da bolsa nacional, numa sessão em que a petrolífera tocou nos 14,90, o valor mais alto desde Novembro de 2011.

 

Ainda no sector energético, a EDP subiu ténues 0,01% para 7,20 euros, a EDP Renováveis perdeu 0,87% para 3,197 euros e a REN recuou 0,29% para 2,74 euros.

 

Também a apoiar o PSI-20 esteve a Mota-Engil que ganhou 1,61% para 2,973 euros, com a construtora a regressar aos ganhos depois de ontem ter fechado em queda interrompendo assim uma série de 16 dias seguidos em alta, a melhor desde a entrada da cotada em bolsa.

 

Destaque ainda para a Ibersol que somou 1,45% para 12,985 euros num dia em que ao negociar nos 13,25 euros estabeleceu um novo máximo de sempre.

 

O sector do retalho registou sentimentos distintos, com a Sonae a apreciar 0,30% para 1 euro e a Jerónimo Martins a resvalar 0,18% para 16,525 euros.

 

Já a travar uma maior valorização do PSI-20 estiveram os CTT que perderam 0,90% para 5,05 euros, o que acontece depois de a Anacom ter decidido que os correios nacionais terão de baixar os preços do serviço universal devido ao incumprimento de um dos 11 indicadores de qualidade exigidos à cotada no ano passado.

 

A Navigator também recuou 0,77% para 4,017 euros após ter decidido reduzir o seu capital social em 217,5 milhões de euros.


(Notícia actualizada às 16:55)



pub