Bolsa Bolsa nacional interrompe ciclo de ganhos pressionada pela energia

Bolsa nacional interrompe ciclo de ganhos pressionada pela energia

A bolsa lisboeta transaccionou em terreno negativo, interrompendo um ciclo de três sessões seguidas a valorizar. O sector energético e o BCP pressionaram o principal índice nacional.
Bolsa nacional interrompe ciclo de ganhos pressionada pela energia
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 03 de janeiro de 2017 às 16:43

O PSI-20 encerrou a sessão desta terça-feira, 3 de Janeiro, a perder 0,18% para 4.725,41 pontos, com 10 cotadas a negociar em queda, seis em alta e as restantes duas inalteradas, interrompendo assim um ciclo de três dias consecutivos a valorizar, isto depois de o principal índice nacional ter iniciado o dia em terreno positivo e de ter chegado a tocar no valor mais elevado desde 24 de Outubro. Esta terça-feira o risco da dívida portuguesa atingiu o nível mais alto desde Fevereiro do ano passado.

 

A praça lisboeta acabou por contrariar a tendência predominante na Europa, num dia em que a generalidade das principais praças europeias negociaram em alta. O índice de referência europeu, Stoxx 600, negociou em terreno positivo pelo terceiro dia consecutivo, tendo tocado em máximos de 31 de Dezembro de 2015. 

 

A apoiar os ganhos no Velho Continente estiveram os dados hoje divulgados sobre a evolução da produção industrial dos Estados Unidos e da China. Enquanto a produção industrial norte-americana superou a expectativa dos analistas, a chinesa atingiu máximos de quatro anos.

 

No plano nacional foi o sector o sector energético que mais pressionou. A EDP perdeu 0,45% para 2,904 euros, a EDP Renováveis resvalou 0,36% para 6,023 euros, enquanto depois de terem passado boa parte da sessão em alta, também a Galp Energia terminou o dia a deslizar 0,31% para 14,275 euros e a REN a cair 0,92% para 2,704 euros. 

Ainda a penalizar esteve o BCP que desvalorizou 1,45% para 1,073 euros num momento em que o banco liderado por Fernando Ulrich aguarda pelo registo da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelos catalães do CaixaBank. Ainda na banca, as unidades de participação do Montepio cederam 0,24% para 0s 0,419 euros.

A travar uma desvalorização mais acentuada da praça lisboeta estiveram a Nos e a Mota-Engil, com a operadora de telecomunicações a avançar 0,40% para 5,754 euros e a construtora a ganhar 2,67% para 1,655 euros. Isto no dia em que a Mota-Engil criticou as contas feitas pelo regulador dos resíduos, reservando-se o "direito de questionar" estas decisões em "sede própria", e um dia depois de ter comunicado ao regulador dos mercados que havia chegado a acordo com o fundo InfraRed Infrastructure para a "alienação de 85% das suas participações nas concessionárias" em dois projectos em Aruba.

A finalizar, destaque ainda para a Semapa que somou 0,78% para 13,60 euros na quarta sessão seguida a acumular valor e num dia em que a cotada negociou em máximos de Maio de 2015 ao tocar nos 13,85 euros por acção. 

(Notícia actualizada às 16:55)


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JPA 03.01.2017

Appetite for Italian bank shares could be on the rise - uma notícia que pode contagiar o BCP - estão para breve noticias importantes

Anónimo 03.01.2017

CTT VAI SER A MELHOR AÇÃO DESTE ANO.
Uma empresa com esta categoria, com uma estrutura financeira sólida e sem dívida, como foi possível ter sido a 3ª que mais caiu em 2016. Bem, a perda de uns vai ser o ganho de outros. Comprar sem medo porque vai subir muito. Em 2018 o banco atinge o break-even,

economista 03.01.2017

BCP, será que ninguém viu , que vem aí um Aumento de capital?, porque é que os grandes investidores não entram ? abram os olhos e vendam essa cancro e comprem papeleiras, o petróleo nacional

Anónimo 03.01.2017

bcp o grande cancro da grande p.k.pariu e filho duma grande cadela.nunca devia ter existido ou já devia ter falido e evaporado da bolsa.que cancro nunca visto em qq parte do mundo.será que aquele falido bcp vai continuar a saga dos afundanços pelo 4º ano?para isso fechem-no com n.amado incompetente!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub